Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

because your smile make me live ♥

so strong, so broken

so strong, so broken

because your smile make me live ♥

24
Out09

3º capitulo - História de Amor

E aqui fica o último capitulo da fic "Históris de Amor". Obrigada pelos comentários apesar de achar a fic uma autêntica lamenchice e não se comparam as minhas habituais....

 

 

Capitulo 3 – A esperança morre

 

2 semanas depois ia com a minha mãe na rua, quando nos encontramos com a Fátima.

                -Olha a minha nora. – diz ela cumprimentando-me.

Eu começo a corar.

                -Eles ficaram mesmo a gostar um do outro. – diz a minha mãe.

                -Se ficaram, o André até andou a decorar poemas de amor para tos dizer.

Aí é que coro ainda mais, queria um buraco para me meter, todos tinham percebido que estava apaixonada por ele. Será que o que a Fátima disse é verdade? Poemas para mim? Não podia ser, não queria acreditar no que tinha acabado de ouvir, nunca ninguém me tinha feito uma coisa dessas.

Começam a passar dias, semanas, meses e anos…

Eram férias de verão, já lá iam três anos desde que tinha visto o André. Durante esse tempo fiquei agarrada a esperança de o voltar a ver.

Eu tinha de saber como ele estava, se ainda gostava de mim, se ainda pensava de mim, ou já me tinha esquecido. Levanto-me e vou buscar o telemóvel, procuro o número da Fatima, era a única coisa que tinha dele. Até esse momento nunca tivera coragem de telefonar, mas naquele momento era o que mais queria, por isso carrego no verde.

Quem atende é a mãe e eu digo que queria falar com o André que era um amigo.

                -Quem é? – pergunta ele meio agressivo.

                -Sou um amigo teu. – minto.

                -Pois, como se eu acreditasse.

                -Tens razão, não sou um amigo, mas uma amiga. Sou a Patrícia, não sei se te lembras de mim. Conhecemo-nos numa festa há dois anos atrás, eu já fui uma vez a tua casa …

                -Patrícia? Patrícia? Ah, a Patrícia. Sim, já me estou a lembrar de quem és.

                -Ainda bem. Eu estou a ligar-te porque como nunca mais falamos nem nada …

                -Pois fois. Gostei muito daquele dia em que vieste cá casa.

                -Eu tabém e muito. Tens telemóvel?

                -Não, está avariado, porque?

                -Porque assim podíamos falar mais a vontade.

                -Eu depois quando tiver , ligo-te ou assim.

                -Ok, então vou ficar a espera. Gostei muito de falar contigo.

                -Eu também, então até uma próxima.

                -Xau.

E desligo a chamada, foi tão bom ouvir a voz dele, que saudade … Ele tinha-me despachado, mas eu nem liguei isso o meu coração estava a falar mais alto do que a consciência.

Passam mais 2 anos e o amor acabou por se desvanecer, mas a esperança de o voltar a ver continua acesa.

Vou cedo para a festa porque queria ficar mesmo lá a frente, mas antes tenho que ir com a minha mãe as barraquinhas e como ainda nenhuma das minhas amigas tinha chegado. Estou a espera dela quando vejo um rapaz a passar e sinto uma coisa esquisita dentro de mim, mas não liguei nada. Vamos ver o pavilhão e quando estávamos a sair encontramos a Fátima com uma amiga, mais o André e a namorada. Ele tinha mudado que quase que não o reconhecia, fico a olhar para ele e ele para mim apesar de estar com a namorada, esta era em parte parecida comigo, mas mais branca. Ele era o rapaz que tinha visto …

A esperança acabou de morrer naquele preciso momento, mas eu até me sentia feliz, agora sim podia seguir em frente sem ter nada que me agarra-se ao passado!!! Nessa noite a minha vida virou uma pagina, era novamente uma rapariga livre que só queria aproveitar o presente e esquecer o passado. Mas gostava de poder falar com ele só para lhe perguntar porque é que nunca me procurou, nem telefonou? Se gostava de mim podia ter feito alguma coisa, já que tinha decorado os poemas…

Chamo-me Patrícia, tenho 15 anos, estou feliz comigo própria e está é a minha é a minha história de amor.

 

20
Out09

Ataques de Riso

Hello  :D

Eu tenho que ser rápida, porque tenho que procurar umas cenas para um trabalho que é para entregar quinta e amanhã não posso vir a net  -.-

 

As aulas na parte da manhã foram matemática que foi normal, depois Português que fiquei novamente com a Catarina e foi a aula no telemóvel (ela a mandar SMS do meu xp ), escrever a fic, comentar as figuras tristes dos outros e por ai adiante. Duas malucas juntas dá uma explosão esplêndida. Acabamos por também ficar juntas em físico-química, mas não podemos fazer praticamente nada porque a stora só sabia falar  --‘

Na aula de APE a Físico-química eu e a Inês pusemo-nos a fazer smiles na mesa, ficou SUPER FOFO *.* Tiramos foto e tudo, CARAMELAS AO PODERRRRR!!!  :’D

Fomos ao intervalo mais a Catarina e não sei porque comecei a ter um ataque de riso, e quando eles me dão fico completamente vermelha e com dificuldades em respirar, prontos foi mais uma da cenas tristes da Bii.

Fomos para a aula de Geologia e mais uma vez tive um ataque de riso, mas desta vez foi por causa da Inês que só me fazia rir  xD Aquilo não era uma aula, mas sim um recreio  xD O melhor de tudo foi o Nónó ter partido o vidro do armário dos animais embalsamados, fez cá um estrondo… Nesse momento da stora transformou-se no Voldmort de HP, ficava vermelha com tudo e punha-se a gritar!

Aquela cena ficou para a história porque 1º eu, a Inês e Rita Gonçalves começamos a fazer o relatório funcional da aula, apontamos completamente tudo, assim que passar a pc, eu posto só para verem o que a nossa turma faz nas aulas  :X

A STORA BATEU O RECORDE DOS SHIU’S (é um tic que ela tem)! DISSE 168 SHIU’S!!!!!!!!

Ahah, cada vez que me lembro daquela aula começo a rir do nada, ai, acho que hoje já me ri mais do que em uma semana normal.

Infelizmente tenho que ir, adorava contar-vos alguns pormenores da aula, mas não tenho mesmo tempo  T.T

 

See You

 

14
Out09

2º capitulo - História de Amor

Capitulo 2 – O reencontro

 

As semanas vão passando e na minha cabeça só havia André e a sonhar acordada na próxima vez que nos encontrássemos.

-Onde vamos? – pergunta eu pela quinquagésima vez a minha mãe.

-Vamos a casa da Fátima. – responde a minha mãe finalmente.

-Que Fátima? – pergunto eu completamente no mundo da lua.

-A mãe do André – desço a terra e fico especada a olhar para a minha mãe. – Queres um babete? – goza ela.

Eu não respondo e encosto-me ao banco, tento acalmar-me, mas não conseguia, os nervos começam a apoderar-se de mim e sinto um nó no estômago.

A minha mãe arranja um lugar para estacionar, saímos do carro e descemos a rua. Chegamos a casa dele e como o portão estava aberto entramos, assusto-me com um grande pastor alemão, devia ser o cão dele.

A minha mãe vai tocar a campainha e pouco tempo depois aparece a Fátima.

-Quem é? Ah! Olá, entrem.

Subimos as escadas e entramos na cozinha, o André estava ainda a almoçar, mesmo assim estava giro.

-Olá – digo eu assim que o vejo.

Ele não responde porque estava a comer, mas acena-me. A Fátima vai mostrar a casa a minha mãe e eu fico a falar com o André. Falamos um pouco de nós e de como eram as nossas vidas, sinceramente só me lembro da parte de ele ter vindo da Suíça e ter chumbado logo no 1º ano porque não se adaptou a língua, por isso ainda estava no 4ºano, porque estava completamente obcecada a olhar para ele.

-Queres ir dar uma volta pela aldeia? – pergunta ele e começa a avançar para a porta e desce as escadas e eu segui-o. – Mãe vou dar uma volta pela aldeia com a Patrícia.

-Está bem, mas toma bem conta dela e não demorem muito.

-Ela está em boas mãos. – e ele sorri para mim.

Saímos da casa dele e vamos dar uma volta por toda a aldeia, sentia-me tão bem ali que não queria que aquele momento acabasse nunca.

Passa por nos uma mulher:

-A passear com a namorada? Muito Bem.

Não dizemos nada e assim que ela já não nos vê começamos a rir as gargalhadas.

-Estes velhos só sabem dizer estas coisas. – diz ele a rir-se, como ficava tão perfeito.

Chegamos a casa dele e o cão ia para ladrar, mas ele vai logo cala-lo.

-Entra para a garagem. – diz-me ele baixinho e apontando com o olhar.

Eu entro dentro da garagem, aquilo era uma espécie de sala de estar. Ele tinha os livros da escola em cima de uma mesa e vou até lá, queria ver como era a letra dele. Estava quase quando ele vem ter comigo.

-Ainda bem que entraste logo para aqui, assim o Rex não deu sinal que nós já tínhamos chegado.

-Pois, mas porque não queres que a tua mãe saiba que já chegamos? – pergunto não estando a perceber nada.

-Porque quero pregar-lhe um susto. A uma passagem lá em cima que vai dar a outra divisão e assim aparecemos de repente e assustamo-las. – diz ele com um sorriso maroto. Ele pega-me na mão e começa a caminhar – Anda!

Subimos mais uma escada e vamos dar a uma espécie de escritório. Ele larga-me a mão para ir a frente na passagem, mas eu antes de ir fico a olhar pela janela, não sei bem porque.

-Vais gostar de passar pela passagem é estreita, mas nós passamos na boa. – viro-me de repente para ele e ficamos frente a frente. A acra dele começa a aproximar-se da minha, estava a começar a sentir-lhe a respiração, quando ouvimos uma mulher a chamar. Ele afasta-se e olha pela janela, era a mesma de a bocado.

-Deixa-a a chamar, faz de contas que ainda não cá estamos, a tua mãe não tarda há-de ouvi-la.

-Mas ela já me viu, desculpa, mas tenho de ir chamar a minha mãe. – ele avança para as escadas e começa a desce-la.

Eu suspiro, e começo a caminhar, não ia ficar ali sozinha, aquela mulher estragou-nos o momento perfeito.

O André e a mãe começam a falar para a mulher e eu e a minha mãe acabamos por ir embora.

-Xau – digo eu com um olhar matador para a mulher.

-Xau, gostei muito de estar contigo. – diz ele com um sorriso.

Como aquele gesto me deixava nas nuvens. Vamos para o carro e a minha mãe começa a fazer perguntas, mas eu estava novamente no mundo da lua, aqueles momentos com ele foram inesquecíveis.

 

 

3º Capitulo --->  Clica Aqui

11
Out09

"Inimigos Públicos"

Hello  :D

 

Ontem como já tinha dito fui ao cinema ver o filme “Inimigos Públicos”. Bem, o filme até foi mais ou menos, a história é um bocado confusa e havia partes um bocado secantes, mas para mim o argumento é muito bom. No final ele não devia morrer, mas também ser o único a viver e a custa de um rapto … mas valeu ele morrer no fim e que morte, wouw, foi extraordinário   xD

Jonnny Depp  :D

 

 

 


Eu sou mesmo uma despistada de 1º  --'

Não sei porque hoje (só hoje) é que reparei nos comentários, posts e visitas que o blog tem.

130 posts, 124 comentários e 3875 visitas  :O

 

Este blog foi iniciado a 31 de Maio de 2008 e nunca pensei que algumas vez alguém me seguisse... Tudo começou por ser só um passatempo para passar o tempo no pc, porque naquele tempo ainda não conhecia muito deste outro mundo (ainda era pita, não tenho culpa) mas estava tudo prestes a mudar.... A minha vida deu um salto, comecei a ficar completamente fanatica pelos Jonas Brothers ( a cada dia eles me supreendem mais *.* ), novas sensações, novos momentos, novas amizades que espero que sejam para sempre  <3       

 

Bem, eu só vos quero dizer uma coisa, OBRIGADA, pelos comentários, por seguirem um blog que não tem nada de especial, eu só sou mais uma vida entre muitas outras ....

 

E tenho que acabar de escrever porque estou a ficar sem bateria no pc e não sei onde meti o carregador, como sempre menina Bii.

 

See You

 

10
Out09

1º capitulo - História de amor

Tcharam!

E aqui fica o 1º capitulo de 3, de uma fic, como hei-de dizer, especial…

Espero que gostem, mas aviso já esta muito lamechas e nada emocionante e nem sei se dá para se sentir o que a personagem sentiu porque fiz isto à pressão. Culpem a bestie, não a mim :P (já vou ouvi-las)

 

 

Capitulo 1 – O sentimento

 

O ambiente da festa até estava animado, mas como sempre não me relacionava com aquilo, nunca gostara muito de festas. O meu género era mais ficar em casa a ver Tv ou ler um livro, mas como sempre fui obrigada pela minha mãe a ir. Estávamos a ver uma daquelas bandas de festas a actuar e eu só pensava em ir para casa ou então ir até a beira rio, já que a lua se reflectia na água.

De repente vejo a minha mãe a falar com uma mulher e ao seu lado um rapaz que ao principio não ligo muito.

-Patrícia, esta é a Fátima, foi minha colega na misericórdia. E aquele é o filho, o André.

-Olá – digo eu e cumprimento-os.

Fico ali especada a olhar para o André ao mesmo tempo que tentava ouvir a conversa das “mães”.

-Porque não vais ali para cima com a Patrícia? – pergunta a mãe do André.

Ele vira-se para mim e pergunta com um sorriso:

-Queres vir?

Eu encolho os ombros e vou com ele. Chegamos ao cimo do pequeno monte e sentamo-nos a ver as pessoas dançar e a olhar para a lua.

-Como te chamas? – pergunta ele e nesse momento vejo-o melhor que nunca graças a lua a incidir a sua luz sobre ele.

-Patrícia e tu és o André, não é?

-Sim, sou, parece que a tua minha mãe diz o meu nome bem alto. – ele começa a rir, aquele riso era lindo.

-Nem foi assim muito, mas acho que toda a festa ouviu. – e começamos a rir cada vez mais.

-Tens quantos anos?

-10, mas estou quase a fazer 11 e tu?

-11, mas fi-los a pouco tempo.

-Então somos quase da mesma idade. – começo a brincar com a terra e ele imita-me.

Ficamos em silêncio a olhar para a lua e a apreciar aquele ambiente, sempre que olhávamos um para o outro os nossos olhares cruzavam-se e só sabíamos sorrir.

-Esta noite está tão bonita. – diz ele.

-Pois, está a lua faz as coisas terem um brilho especial.

-E muito mais cintilante, como tu por exemplo…

Se estivesse mais luz ele pensava que me tinha tornado num tomate. Fico sem saber o que responder, aquele elogio foi o melhor que alguma vez alguém me tinha feito.

A mãe dele chama-o, ele levanta-se e vai ter com ela. Ele desliza o monte e eu fico de boca aberta a olhar para ele, felizmente ele não tinha percebido, tudo nele era perfeito! Como ele estava a demorar e estava cansada de estar sentada, levanto-me e começo a descer o monte, mas quase no final escorrego e ele vai a correr ter comigo, agarra-me e eu deixo-me cair nos braços dele e olho-o nos olhos. Naquele momento acho que nenhum dos nós os dois tinha duvidas que estávamos apaixonados.

-Obrigada – digo eu com um enorme soriso e o coração a bater a mil à hora.

-De nada. Estás bem, não te aleijaste? – pergunta ele não tirando os olhos de mim.

-Sim, estou, apareceste mas altura certa. – saio dos braços dele e vamos ter com os adultos.

-Então, já se cansaram? – pergunta a minha mãe.

-Sim e está a arrefecer lá em cima. – digo eu enrolada.

-Queres vir dançar? – pergunta ele.

-Desculpa, mas não me apetece e eu não sei dançar. – digo eu com esperança de não o ter magoado.

O que tinha acabado de fazer? Dei uma bela tampa ao rapaz dos meus sonhos, o que é que me passou pela cabeça?

Ele acaba por ir embora e despede-se de mim com dois beijos na bochecha e um xau, eu fico paralisada e não consigo dizer uma única palavra, simplesmente lhe aceno. Fico a vê-lo afastar-se até o perder de vista. Assim que o deixo de ver solto um longo e profundo suspiro, era tão bom sentir aquilo.

-Ele era giro, não era? – pergunta a minha mãe.

-Sim e muito simpático. – fico com um enorme sorriso na cara.

Eu e os meus pais vamos para a ponte ver o fogo-de-artifício que estava quase a começar. Aqueles conjuntos de cores faziam-me lembrar aqueles olhos azulados, aquele cabelo castanho claro, aquele sorriso do André. Na minha cabeça começam a surgir várias perguntas que não tinham resposta, Onde será que ele estaria? Será que já tinha ido embora ou também estava a ver o fogo-de-artifício?

Chego a casa, visto o pijama e enfio-me na cama a olhar para o tecto e a pensar naquele noite, o momento em que estive sentada com ele e momento em que literalmente caio em cima dele, aquela voz e aquele sorriso que não me saiam da cabeça …

 

 

2º Capitulo  ---->  Clica Aqui

04
Out09

E mais uma passada ..

Hello

Que nervos, eu quero acabar de escrever a minha fic, tenho a ideia na minha cabeça, mas vou a escrever e sai uma porcaria autêntica, fica sem sentimento  --‘    Bah, isto enerva, eu adoro escrever, mas assim também não dá! Parece que só me resta esperar para que tenha inspiração e escrever um final surpreendente e sentido!

 

 

Decisões difíceis para tomar, medo do que poderá acontecer, medo de enfrentar as barreiras, que fazer???

 

 

 

Awww, acabei agora mesmo de visitar o blog Real Picture e.....

EU GANHEI, EU GANHEI, EU GANHEI!  okey, bii já chega de histerismo!

 

Ganhei graças a fic "Sede de Obsessão"

 

Eu não estava a espera de ganhar, talvez só ficar em 2º lugar  :$

Mas obrigada minha Paty  :P

SEE YOU

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Mensagens

Inspiração


Follow

Sentimentos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.