Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

because your smile make me live ♥

so strong, so broken

so strong, so broken

because your smile make me live ♥

20
Set11

ambientes

O assobio suave do vento abana os ramos já despidos das árvores a caminho do céu, faz um bailado sem fim, nem forma com as folhas espalhadas pelo chão.

As primeiras gotas de chuva começam a cair sobre um chão seco pelo sol do solestício, um cheiro de terra molhada começa a pairar pelo ar anunciando a aproximação de um temporal.

Pequenas gotas batem na janela produzindo um som ritmado incontrolável, prosseguindo com a sua corrida até atingirem o fim da superfície.

 

Pessoas desprevenidas correm pelas ruas agitadas de chapéus e gabardinas prevenidos à procura de um lugar quente e seco para se acomodarem do contraste porque passam. Ambientes aconchegados e apinhados à espera de uma aberta para poderem retomar às suas casas talvez também aconchegadas e mais calmas ou precisamente o contrário.

 

O vento deixa de fazer as cortersias principais com as folhas que se tornaram pesadas querendo ficar coladas ao chão, passando as honras à chuva. Leve mas pesada ao cair sobre algo parecendo pequenos pedaços arrancados das nuvens negras encobrindo o sol, senhoras de si próprias.

 

À parte destes acontecimentos encontra-se alguém apenas a observar, como se a chuva  a bater e a escorrer pelas roupas e corpo fizessem parte do habitual. A agitação não importava era como se o mundo estivesse a andar em câmara lenta e o movimento de cada pessoa era deliniado e entendido. Como se existisse uma caixa invisível e atravessavel e dentro desta um observador indiferente. Um dia curto e molhado mas apenas acizentado.

 

Um ambiente às escuras iluminado por vezes com um relâmpago, distinguem-se faces de objectos mas não quem por entre eles permanece. A tempestade aumenta de intensidade, o vento provoca a chuva e vice-versa, como uma revolta ou uma maneira de libertação, batendo na janela. Deixam de haver sons separados para se juntarem todos num só. Gotas a escorrer pela janela, outras a baterem no vidro, uivar do vento tentando invadir novos espaços, o tic-tac do relógio, a respiração calma ou ofegante. Uma noite escura e prolongada mas não silenciosa.

 

 

 

Está confuso? Sim, está. É assim que o meu mundo tem anado ultimamente.

Pareço o saramago a escrever (já ando a ler o memorial do convento e já não é habitual escrever tão pormenorizado)? Não sei, só quem ler é que me pode responder a isso.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Mensagens

Inspiração


Follow

Sentimentos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.