Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

because your smile make me live ♥

so strong, so broken

because your smile make me live ♥

so strong, so broken

14
Set19

a minha essência exposta

bii yue

Adoro o universo e como as coisas se encaixam. Sinto-me tão grata por tudo o que tem acontecido ultimamente. O quão transformadora, reveladora e incrível tem sido esta viagem. 

E o que é isto tudo que tenho andado a falar? Qual é a razão desta transformação? Sinceramente, ainda nem eu própria sei bem. Ainda estou a descobrir, a aprender e ver onde me encaixo. 

Aquele vazio que sentia que não conseguia preencher, aquele ciclo vicioso de entrar um ritmo e voltar a cair na procrastinação, a história das semanas de pequenos azares sucedidos, foram estes "insignificantes" acontecimentos que me levaram a agir, a ir à procura de algo mais. Eu tentava manter uma atitude positiva, mas era cansativo mentalmente e fisicamente e isso afetava a maneira como era agia com o mundo e as pessoas ao meu redor. 

Comecei a ouvir os podcasts da Filipa Maia que me fizeram parar e reflectir nas verdades ali expostas, agarrei na coragem e comecei o desafio de journaling de 28 dias. Nesse momento começou esta aventura de transformação. Reconectei-me com uma amiga de infância, a qual o meu coração já andava a gritar para falar com ela, e foi maravilhoso descobrir que ela já estava no caminho que eu queria iniciar. Com ela são aquelas conversas mágicas, de sintonia, partilha de experiências lindas e enriquecedoras. Voltei a fazer outro desafio de journaling da Filipa Maia desta vez 30 dias e logo a seguir participei na Masterclass - "Mudar de dentro para fora".

No meio termo, devorei instagram de pessoas que a minha amiga me tinha recomendado e o meu interesse por astronomia aumentou e tenho aprendido imenso. A maneira como os planetas e fases da lua nos influenciam, as energias ao nosso redor, como podemos usá-las ao nosso favor.

Retomei o prazer da leitura, que tinha posto de lado desde que comecei a universidade, com o livro da Rute Caldeira - "Simplifica a tua vida". Tenho devorado cada capítulo, porque é tanto para assimilar que acabo por apenas conseguir focar-me o que me mais toca. E esse toque têm sido enorme, porque não há como ficar indiferente a palavras que nos tocam no coração, mexem com a nossa alma, nos fazem duvidar e reflectir sobre o que pensamos que somos e como o ser humano age. Tenho outros a aguardar para serem lidos, com mais reflexões, aprendizagens e transformações.

Isto levou-me a estar mais presente da pessoa que sou, mais reconectada com a natureza, mais grata por cada dia, por cada aprendizagem, por as pessoas que tenho ao meu redor e me querem bem. Comecei a sentir a necessidade de estar mais ligada à natureza, o meu espiríto dizia para no dia seguinte acordar cedo e ir dar uma caminhada na praia enquanto ainda estava quase deserta. Esse dia foi transformacional e mágico, aquele caminhada onde era apenas o meu corpo a caminhar em frente, a minha mente vazia a saltitar entre pensamentos que iam surgindo. Foi lindo, re-energizante, re-conectante e sinto-me tão grata por ter descoberto este prazer que me faz tão bem ao corpo e alma

Ontem tive a oportunidade de conhecer e abraçar uma pessoa que emana luz e nos faz sentir arco-íris, a Grace Kelly. Foi lindo e mágico ouvir as palavras dela, sentir a energia que transmitia, sentir uma alegria com os ensinamentos partilhados. Foi a apresentação do livro "Alma Feliz" e ela realizou uma mini aula de yoga (a primeira e é uma pratica que vou começar porque foi revitalizante e a minha alma e corpor estavam a precisar). Parecia uma criança sem jeito a conhecer o seu ídolo, mas com tanta gratidão no coração e felicidade na cara

MVIMG_20190913_194106.jpg

Por isso sinto-me tão grata por esta transformação, pelo que me levou até ela, por estar a descobrir o meu caminho em sintonia com o meu corpo e espírito, por ter encontrado um caminho que preenche aquele vazio que me esgotou. Ainda tenho imenso para aprender, apenas estou a começar, no entanto certezas não me faltam e vou confiar no universo e as energias que ele emana. 

13
Set19

Desafio de escrita dos pássaros #1 - Problemas, só problemas

bii yue

Sabem aquelas semanas onde tudo corre mal e por mais que vocês se forcem a rir das situações e seguir em frente, as coisas continuam a correr mal? Ora bem, isso aconteceu-me ainda antes das férias de verão.

Precisava de realizar um teste importante para a tese, mas o meu orientador por diversas vezes esquecia-se ou aparecia algo mais importante. Andei umas 2 semanas “empatada”. Nesse tempo comecei a experimentar com amostras novas só que os meus dispositivos começaram a deixar de funcionar. Mas só me apercebi ao 2º dia de ir analisar que é quando obtenho resultados. Perdi alguns dias porque esta "morte" foi por escadinha até ficarem reduzidos a meia dúzia, os sobreviventes, que foram tratados como salvadores até conseguir ter os dados todos. Foi imensa frustração, porque pensava que estava a avançar e só fim reparava que tinha perdido 2 dias de trabalho ou horas e tinha de recomeçar tudo de novo e fazer figas para que os dispositivos tivessem de bom humor e em sintonia comigo

Quando finalmente o meu orientador teve tempo para mim e ajudar-me com o teste, pensava que ainda tinha mais uma semana em Junho, mas afinal na semana seguinte já era Julho e eu ia ter a semana ocupada com apresentações do voluntariado. Mais uma vez a data foi adiada e o meu coração fraquinho por não saber que rumo a minha tese iria tomar. 

Antes desta semana, tinha decido ir dar um dia a mim mesma e vou para pegar no carro e fica sem bateria. Vivendo numa aldeia e já eram depois das 9h era difícil arranjar ajuda. Tive que ir a pé até uma oficina pedir ajuda para me virem ajudar e acabei por perder a manhã com esta situação. Durante os dias anteriores estava a fazer um esforço enorme para me manter positiva, porque eram apenas pequenos contratempos e só tinha que rir deles. Mas já eram alguns azares e não sabia como dar a volta por cima, como contornar as energias negativas acumuladas à minha volta....

Entretanto as coisas começaram a melhorar e felizmente nunca foi nada de grave, eram só aqueles azares irritantes que acabaram por passar

A parte boa desta história é que foram estes acontecimentos que me levaram a tomar decisões provocar estas pequenas mudanças em mim e ao meu redor. 

07
Set19

quarto de século

bii yue

Ontem completei um quarto de século. Este post talvez devesse ter vindo ontem, mas hoje também ainda é dia.

Pela primeira vez na minha vida não passei o dia nesta "prisão", mas sim na minha casa. Rodeada do que mais gosto, com a liberdade ao meu dispor. Foi um aniversário completamente diferente. Habituei-me a tê-lo para me fazer companhia durante o dia, mas apenas o tive durante o acordar e jantar. Senti imensa falta, especialmente quando finalmente o dia começou a abrandar... Aprendi a ter que me agarrar aos momentos criados e leva-los comigo no coração para estas horas. 

Não houve nada melhor para aproveitar a liberdade que sempre quis ter, especialmente, neste dia do que ir dar uma volta à praia. Tal como da outra vez, foi reanergizante, completamente em paz comigo mesma e a saborear cada sensação. É indescritível, apenas tenho a certeza que é aquilo que preciso para me desconectar e conectar.

Ser saudável e ir almoçar com os meus amigos ao saladasmais em Aveiro, que recomendo pela qualidade e preço completamente balanceado. Sempre morei lá perto, mas foi preciso ter saído do centro para finalmente ter acontecido lá ir e ficar rendida pela comida e ambiente (que já conhecia). Hoje foi uma espécie de pequeno-almoço, brunch, almoço, com as amigas num espaço recente em Viseu, chamado raiz. Para quem é das cidades pequenas, é tão bom ter um espaço tão acolhedor e com tanta opção de comida que só se vê pelas fotos do instagram. 

Será que é desta, que embarco na aventura de me tornar uma pessoa com uma alimentação mais cuidada e saudável? Quero acreditar que sim, porque não poderia ter escolhido melhor(es) dia(s) para experimentar novos sítios.

IMG_20190829_110525_917.jpgNão foi só mais um aniversário igual a tantos outros, foram sentimentos e emoções distantes das habituais. Foi a alegria da liberdade, de quebrar o usual durante anos. A gratidão pelo lugar onde me encontro, das pessoas que levo comigo, da viagem transformacional que esta a ser. O conforto de estar na minha pele e criar novas rotinas e mindsets. O amor criado.

02
Set19

Setembro

bii yue

Olá Setembro, 

és o mês do meu aniversário, de novos recomeços para todos os estudantes (no meu caso é o desfecho),  novas oportunidades. Não sei bem o que esperar de ti, apesar de ter noção do que realmente esperar. Vai ser um desafio, com novas jornadas, com muito sentimento a começar a fluir.

energias renovadas, com a nova super lua que esta a passou. É tempo de aproveitar, agradecer e seguir em frente. Com esta mudança e ciclo do universo, e visto estar mais consciente e a tentar aprofundar no tema de astrologia, deixe-me ir pelo que o meu espírito queria, o que me fazia sentir bem, feliz, realizada, em sintonia comigo mesma. Fiz algo que já se andava a formar na minha mente há uns dias e que já queria há bastante tempo, mas sempre tive um pouco de receio por ser fora da minha zona de conforto e ir sozinha. Acabou por ser tão libertador, estar em contacto com a natureza, completamente sozinha e rodeada pelo som dos pássaros e mar. As fotos não ficaram bem como queria, mas sou uma perfeccionista e foi a primeira vez por isso é sempre complicado acertar nos ângulos. Numa das últimas manhãs acordei com a necessidade de sair de casa, ir passear, estar sozinha comigo mesma. Acabou por ser mais de 1h de caminhada na praia, num daqueles dias de manhã encobertas, temperatura amena com o mar calmo e a água à temperatura ideal. Foi completamente revigorante, das melhores sensações de leveza e paz interior. Em sintonia com a natureza, as ondas a rebentarem calmamente, a água salgada a molhar a pele, a maré a começar a encher criando aquela piscina natural em que se consegue entrar pela água adentro, os pés a serem enterrados na areia molhada. O olhar no horizonte e na areia, a mente a vaguear entre o nada e os pensamentos triviais.

Agosto, acabou por ser um mês transformador, com uma viagem a uma velocidade alucinante. Constante aprendizagem, completamente absorvida no que leio e com a consciencialização sobre mim mesma e o meu redor, acabo por não conseguir prestar atenção a todos os pensamentos e emoções, só aos que se destacam. É como se fosse um fogo de artifício constante e o nosso corpo e mente foca-se no mais bonito e arrebatador. 

28
Ago19

virgo season is here

bii yue

Férias que souberam tão bem a alma. Um reconectar e recarregar mais profundo que estava a espera. Como já disse, o ambiente que senti na Zambujeira do Mar foi tão relaxante e energizante, criei uma ligação com aquele ambiente, não só estar a cumprir objectivos, estar a sair da minha zona de conforto, precisar de sair do ambiente rotineiro e estar a passar por uma fase "sem rumo e vazia". Foi todo um conjunto de emoções, sentimentos e acontecimentos que se alinharam e tornaram aqueles dias tão mágicos para mim.

De volta a realidade, tento trazer esses dias e energias sempre presentes. Aos poucos vou interiorizando esta jornada de transformação, de mais auto-conhecimento, mais amor-próprio, de maior gratidão. Descobrindo que o que sei sobre mim, o que pensava que já sabia e tomando consciência que é só uma espreitadela de um todo ser que sou e preciso aprofundar. 

Têm sido um alinhamento de acontecimentos, uma aventura e descoberta para combater aquela sensação de vazio pessoal. No início do ano idealizei que este ano fosse para mim mesma, cumprir objectivos pendentes, mais auto-realização e amor próprio. Fui perdendo a minha essência, energia para fazer o que me faz feliz, coragem para continuar a lutar e não me deixar vencer pela rotina e procrastinação. Até que aquele sentimento começou a gritar e a doer no meu corpo, os sinais ao meu redor começaram a ser mais evidentes, tomei a coragem e fui agarrá-los.

Tenho-me tornado mais consciente, mais atenta, mais envolvida no ambiente ao meu redor, mais conectada comigo própria. Estou a começar, quero aprender, interiorizar e devorar cada palavra que leio e escrevo, ainda é um longo caminho a percorrer... Estou recetiva aos sinais e energias que me apareçam à frente, consciente para a verdadeira realidade da minha pessoa (seja pelo lado positivo ou negativo), decidida a seguir esta jornada de transformação (pelo journaling, pela leitura, pelo contacto com áreas fora da minha zona de conforto).

Porque a pessoa por trás destas palavras sou eu, na versão mais vunerável, nesta pele onde me sinto confortável. No entanto, sei que consigo ir mais além (é o que o meu espiritio quer e precisa) ... estar mais alinhada com valores e ideias que irei continuar a descobrir, com o que realmente quero para o futuro, com as energias que me transmitem paz, gratidão, segurança, com o que me faz feliz.

let the Virgo Season bring all the good energy from universe into our lives ♥

19
Ago19

Roadtrip - Costa Vicentina, Algarve, Alentejo

bii yue

Posso oficialmente riscar mais um item da minha bucket list. Ao fim de já alguns anos a falar em fazer uma roadtrip por Portugal com o meu namorado, conseguimos ter a oportunidade para a realizar. Não houve muito planeamento, apenas se decidiu os dias e sítios mais concretos por onde se passar, mas no final acabamos por decidir muito no momento. 

Começando pelo itinerário geral, o que fui fazendo ao longo dos 5 dias com direito a fotos. No fim irei fazer um resumo dos pontos mais altos e baixos para mim.

Saímos numa sexta-feira e fomos diretos à Figueira da Foz para apanhar a estrada atlântica. Nós já tínhamos feito esse percurso num fim de semana, onde passamos pela praia de São Pedro Moel, Nazaré, São Martinho do Porto e Foz do Arelho.

IMG_20190809_134902.jpg

Estrada Atlântica

IMG_20190809_134941.jpg

Parque de merenda na Serra do Bouro

Por isso desta vez fomos seguidos para Peniche, com um pequeno desvio na Marinha Grande para almoçar. Como queríamos passar mais tempo na Zona Alentejana e Algarve, acabamos por não ir às Berlengas, mas espero que numa outra oportunidade.

IMG_20190809_152601.jpg

IMG_20190809_153704.jpg

IMG_20190809_153724.jpg

IMG_20190809_153921.jpg

Nesse mesmo dia ainda fomos para Lisboa, porque como eu tinha lá casa de familiares facilitava um pouco nas contas. Mas ainda deu tempo para passar pela Ericeira e apreciar a vista que foge das praias do norte. 

IMG_20190809_175813.jpg

O dia em Lisboa foi meio que um desperdício, porque saímos tarde demais para conseguir ir visitar Sintra (como não conhecíamos aquilo, fomos de carro até lá cima para depois não termos estacionamento e abortou-se a missão), andamos perdidos até lá chegar e a tarde foi passada a conviver com amigos dele no Miradouro da Graça. Era suposto lá ficarmos 2 dias, mas como não tínhamos nada que nos prendesse e o plano do dia anterior tinha saído furado, decidimos seguir viagem. No domingo seguimos para Setúbal, passamos a manhã a explorar a Serra da Arrábida.

IMG_20190811_110217.jpg

IMG_20190811_110545.jpg

IMG_20190811_110629.jpg

IMG_20190811_110759.jpg

Fomos almoçar a Sines e seguimos caminho para Vila Nova de Milfontes. A nossa intenção inicial era ficar a acampar aí, mas após analisar melhor os comentários e localização dos parques de campismo, decidimos que seria melhor ir para Zambujeira do Mar.

IMG_20190811_153502.jpg

IMG_20190811_153808.jpg

Vila Nova de Milfontes

Ficamos no Camping Villa Park Zambujeira  durante 2 dias. Nesse dia no fim de montarmos a tenda ainda fomos à vila passear. No dia seguinte fizemos praia de manhã e à tarde na Praia dos Alteirinhos e à tarde ainda aproveitamos para ir à Praia do Patacho ver o barco que tinha encalhado há uns anos.

IMG_20190811_175151.jpg

IMG_20190811_184827.jpg

IMG_20190812_124138.jpg

IMG_20190812_124210.jpg

Zambujeira do Mar

IMG_20190812_102717.jpg

IMG_20190812_102723.jpg

IMG_20190812_180637.jpg

Praia dos Alteirinhos

IMG_20190812_142827.jpg

IMG_20190812_142946.jpg

IMG_20190812_143354.jpg

Praia do Patacho

Na quarta seguimos caminho, continuando pela Costa Vicentina até Sagres.

IMG_20190813_122118.jpg

IMG_20190813_122455.jpg

IMG_20190813_122504.jpg

A viagem nesse dia continuou para o Algarve, fomos montar as coisas no Parque de Campismo de Albufeira e aproveitamos o resto da tarde para ir fazer praia na Praia do Alemães. Decidimos que, tal como na Zambujeira, iamos ficar 2 dias neste parque de campismo. Nessa noite fomos até Vilamoura e no dia seguinte fomos até Faro de manhã, à tarde voltamos a fazer praia, desta vez na zona de Olhos de Água e à noite fomos até Albufeira.

IMG_20190814_115350.jpg

IMG_20190814_115805.jpg

No último dia voltamos a percorrer as estradas do Alentejo até Évora, onde fomos visitar a capela dos ossos e o templo de Diana. No caminho de volta até Aveiro, apenas se fez uma pequena paragem em Lisboa.

IMG_20190815_131123.jpg

IMG_20190815_131326.jpg

IMG_20190815_135423.jpg

Adorei a viagem, especialmente porque eu nunca tinha ido abaixo de Lisboa e era algo que já queria há vários anos. No entanto, como só tínhamos aqueles dias e queríamos ir ao Algarve, não houve tempo para visitar mais locais da Costa Vicentina. O objetivo é numa próxima ir aos locais que nos faltaram visitar. 

Zambujeira do Mar foi um lugar especial, quase que posso chamar "mágico". A paisagem é linda, a Praia dos Alteirinhos é sem dúvida um lugar a visitar porque quando a maré esta baixa é possível passar a encosta e descobrir pequenas grutas esculpidas e praias inacessíveis em maré cheia. O parque de campismo é 5 estrelas e não poderia ter escolhido melhor local para ficar, visto que foi a primeira que acampei. Têm espaço com sombra em praticamente todo o parque, um ambiente bastante agradável, calmo e acolhedor, com condições óptimas. Casas de banho sempre limpas e com água quente, piscina e jacuzzi de água salgada gratuitos e preços de estadia acessíveis. Só os preços do bar e mercado é que eram um pouco elevados.

IMG_20190812_092507_328.jpg

A contrastar com o Algarve e o Parque de Campismo de Albufeira. Este parque têm uma grande área, o que significa que acolhe imensas pessoas e o lugar com sombra é limitado, as casas de banho não estão limpas, não existe água quente (apenas a temperatura ambiente ou fria). No entanto existe piscina e um bar/café que anima as noites. Nós conseguimos arranjar um local com sombra ao final do dia, mas de manhã quando o sol começava a bater tornava-se impossível estar na tenda. Infelizmente não gostei do parque, das pessoas, do ambiente. Talvez numa época mais baixa seja minimamente melhor, mas em época alta já se têm que ir a contar com estes problemas. As praias do Algarve até são bastante bonitas (mas não percebo porque dizem que a água é quente quando me pareceu tão fria como a do norte), com água limpa e consegue-se arranjar espaço para se estar. Só que o calor que se faz sentir para quem não esta habituado é avassalador. Admito que fiquei dececionada com o Algarve, estava a espera de um ambiente diferente. Se calhar posso não ter ido aos lugares certos, mas não fiquei conquistada. 

Voltando a entrar na costa alentejana, voltei a ficar rendida pelo ambiente e energia. Évora é uma cidade pequena, mas bastante pacata e a visita a capela dos ossos deixou-me vidrada (já que sou fascinada por coisas mórbidas), tal como o templo de Diana e a paisagem que se consegue ver. 

Concluíndo foi uma experiência a repetir! Definitivamente que quero fazer o que falta da Costa Vicentina e gostava de voltar ao Alentejo e visitar Beja porque nós tivemos que saltar essa cidade por não termos tempo.

A nível monetário rondou os 200€, com gasolina (60€), alojamento (70€) e alimentação (40€). Fomos de carro e a preguiça venceu, por isso acabamos por fazer muitas refeições fora ou ir ao pingo doce comprar algo. É uma viagem cansativa mas vale cada momento e euro gasto!

IMG_20190812_102335.jpg

(random foto para finalizar, só porque sim) 

Se quiserem ver mais, vão até ao meu instagram porque tenho um destaque das stories e fotos fofinhas no feed. 

29
Jul19

o prazer de saber que (tentaste) fazer a diferença

bii yue

Desde há 2 anos atrás que tenho feito os programas de voluntariado disponibilizados pelos IPDJ, onde tenho trabalhado sobretudo com crianças, a abordar os temas "Navegas em Segurança" e "Namorar com Fairplay".

Só que este ano foi diferente e posso dizer que transformacional.

Continuei a apresentar o "Navegas em Segurança" à crianças, mas desta vez ainda mais pequenas do que as que estava habituada. E é assutador o que elas observam e captam de ações dos pais, especialmente a maneira como depois contam certas situações. A minha geração (a dos anos 90), não crescemos com tecnologia mas acabamos por a apanhar ao longo ou final da nossa adolescência, e agora é algo com que já não podemos passar sem. E os mais pequenos sentem e são afetados por isso, ouvi comentários de "leva o telemóvel para todo o lado, até para a sanita", "já apanhou multas por estar a conduzir com o telemóvel", "esta sempre a escrever mensagens e a falar ao telemóvel". São hábitos inerentes mas não são saudáveis, porque que exemplo estamos a dar a geração que esta a vir? E infelizmente, com isto vem as histórias dos jogos que podem levar à morte, as chantagens e roubo de dados, que assustam as crianças mas ao mesmo tempo passam ao lado porque estão tão fascinados com este mundo tecnologico e vêem-nos a usá-lo a toda a hora, que querem imitar-nos... Aqueles comentários da inúmeras vozinhas fez-me perceber que a tecnologia é algo tão natural e estamos tão absorvidos que acaba por ser absurdo. Temos palas que não nos deixam entender a mensagem errada que estamos a transmitir, os momentos que estamos a deixar passar.

O "Namorar com Fairplay" este ano foi juntamente com outra voluntária na escola profissional de aveiro, por isso o público alvo já eram adolescentes e com faixas etárias variadas. Foi um autêntico desafio! Primeiro porque os temas abordados numa primeira fase foi a igualdade de gênero e o quanto o machismo esta enraizado e numa segunda fase a violência no namoro e doméstica e no final produzir-se conteúdo. Houve um pouco de tudo, turmas que apresentaram um maior desafio porque ou eram mais irrequietas e uma mentalidade ainda infantil ou tinham aquela mentalidade enraizada que "é normal", outras que até foi algo bastante natural e flui bastante pelo que deu para partilhar experiências e debates saudáveis. No último mês estivemos a trabalhar com idades superiores as 16 anos, pelo que a mentalidade e experiência já são outras, e o nosso discurso também já estava muito mais treinado e iamos logo diretas ao ponto da questão. Tenho que também saliantar que a equipa da escola é excelente e a maneira como eles ensinam é algo revolucionário que devia ser implantado em outros locais. 

Tenho que admitir que falar sobre os temas começaram a mexer comigo (há tantas histórias que não são contadas, que deveriam para as pessoas terem noção de como é verdadeiramente a realidade), o quanto a sociedade esta errada e que há muita coisa que "é normal e bla, bla, bla" e pelo que uma mulher passa todos os dias e continua calada quando é necessário que se fale e sejam feitas denúncias para que se tome consciência de que é preciso tomar medidas. Houve uma turma que me fez tomar consciência que durante este último ano consegui(mos) fazer a diferença, que as palavras foram ouvidas e interiorizadas. Estavamos a falar ao mesmo nível que eles, e eles a olhar e focados em nós, como que a comer cada palavra que era dita, simplesmente não tem descrição o sentimento de realização, gratificação e satisfação. Foi nesse momento que soube que consegui fazer a diferença e impactar a vida de algumas pessoas. 

21
Jul19

lethargy

bii yue

Is breaking my heart,

Is shattering my soul,

Is making me feel disconnected about what is to be a human,

A rollercoaster without an end or a beginning, just spinning around without a certain path.

Without motivation,

With work accumulating 

With goals being lost,

With a passion that starts to disappear, giving place to constant lethargy.

Living, but screaming for a way out! 

Break the wheel once for all, staring do but don't stop in the middle...

Where did I lose myself? 

How can I find myself? 

11
Jul19

Dia 21 de Journaling

bii yue

Hoje escrevo as palavras que eu própria preciso de ouvir.

Não te esqueças de te focar no que é necessário e importante, no momento. Vai haver sempre imensas distrações, mas foca-te. Tu és capaz de vencer a preguiça e autodisciplinares-te quando é necessário. 

Acredita em ti e não desistas do que queres. Tens a liberdade para viver, sabes o que queres, só tens que dar o teu melhor e lutar por isso.

Tem planos para o futuro, mas vive no presente.

IMG_7659.jpg

trabalho de @picbabbs

11
Jul19

Como te sentes?

bii yue

Se me perguntarem como realmente me sinto não o sei definir. É um vazio que se foi criando, um acostumar com a nova realidade. Tanto se têm passado, que é difícil recordar de como era o "antes". Juntamente com uma empatia terrível que acaba em se transmitir por um distanciamento não intencional. Fico no meu canto agarrada ao que não consigo alcançar, a encolher os ombros para o que devia estar a agir e a lutar. 

Não existe culpa de ninguém, é assim que a vida é... Um pessoa tem que se acostumar, mas saturação é inevitável. Isto porque depois as pequenas coisas vão-se juntando e a paciência acaba por se esgotar. Não quero que as coisas estejam neste limbo, mas a minha energia esta cansada.

Voltei a adquirir a mania de por a máscara e depois quando penso em mim, fico a sentir-me culpada de culpa que nem sequer deveria existir porque as escolhas são minhas. É uma máscara segura, mas esconde a melancolia e o vago que é a realidade. 

São dias longos com um tempo livre mas que nunca é verdadeiramente de qualidade. Há sempre algo que gosto que ponho de lado, como abrir uma gaveta agora, fechá-la e a seguir para a outra e repito desde o início. Não deveria ser assim, deveria ser capaz de abrir todas as gavetas ao mesmo tempo, só que o cansaço e letargia estão constantemente a vencer-me

Quero-te de volta! 

Sinto falta de como era antes. Das pequenas atenções, do carinho, de chegar a casa e poder contar com o inesperado. 

Quero voltar a encontrar-me....

Sobre mim

foto do autor

Parceria/Colaboração

contacto: helenabeatriz12@sapo.pt

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Inspiração


Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me