Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

because your smile make me live ♥

so strong, so broken

because your smile make me live ♥

so strong, so broken

20
Mai19

dia de cão

bii yue

O que dizer sobre hoje?

Um dia não.

Um daqueles dias que levamos com as pessoas a piorar o nosso humor, a atrasar a nossa vida, a alterar os nossos planos, a colocar-nos sobre um stress que não existiria se o nosso humor até estivesse normal. 

Um dia que marca, em que ambições são destronadas. Em que não sei o que sentir, como agir, o que é suposto fazer a seguir. Se é suposto chorar, se é suposto gritar, se é suposto tentar quando é um não certo. Continuar em frente ..., os planos também eram definitivos, havia probabilidade de haver um não final e acabava ali. Mas havia sempre aquela esperança, aquela mudança de vida. 

Melhor virá, talvez sim, talvez não, é apenas seguir com vida.

14
Mai19

uma casa a que se pode chamar casa

bii yue

Aconteceu, mais cedo do que estava nos planos mas temos uma casa só nossa! Um espaço completo só para nós, sem ter que ser partilhado com outras pessoas. É tão bom, porque foram 6 anos a viver com outras pessoas e meses a viver num espaço confinado em conjunto. A minha paciência já estava no limite, apesar de adorar aquela suite e a localização excelente. Posso estar longe (no meu caso), mas sem dúvida que é melhor para nós e manter a nossa sanidade

Lembro-me tão bem de antes de quando ele voltou de erasmus ter aquela voz a gritar que estava saturada de viver sozinha no meio de pessoas meio desconhecidas, que queria dar o passo seguinte. Era cedo demais, porque cresceu-se um pouco mais e no final coisas acabaram por tomar o seu rumo quando menos esperava e no tempo certo da vida de ambos. Imaginava, mas era algo tão desenhado ao de leve 

Se estou feliz? Sim, apesar de a minha rotina ter mudado e estar-me a habituar a esta nova realidade. Aos poucos a casa começa a preencher-se, a criar o nosso espaço e o conforto e segurança vão-se criando e construindo. É um processo de aprendizagem, rotinas ligeiramente alteradas, encontrar um meio termo para ambos os lados.

Cheers!

10
Mai19

desabafo

bii yue

Mais uma vez, perdi a conta a quantas vezes aquela necessidade de escrever apareceu, mas a preguiça venceu. Prometi a mim mesma que ia fazer o esforço de me focar na escrita criativa e na escrita da tese, mas nada disso tem acontecido. São várias as razões e também são várias as desculpas que dou a mim mesma. Sinto-me a falhar comigo mesma, é uma necessidade necessária para não deixar acumular e evoluir. Eu bem tento e chego a abrir esta página, mas acaba por se perder no meio de outros afazeres, as horas a passar, perdida por onde começar...

Caio no ciclo vicioso da preguiça, de ficar sentada a olhar para o vazio, a deixar as coisas acontecerem e acumularem , de ter coisas para documentar e deixar passar as emoções. É uma situação frustrante, desde que pequena que amo escrever mas desde há uns anos que existem estes períodos que comprometo mas falho redondamente, deixando-me frustrada, a querer mudar mas é como se falta-se algo pelo meio. 

A vida tem sido agitada, só que não é justificação, são apenas desculpas bonitas para a falta de motivação, para a perda de rumo pelo meio, estar apática do meu corpo cansado por falta de descanso. Sei quem sou, os objectivos por que quero lutar, mas talvez me tenha conformado em alguns pontos, largar um pouco a rédea na esperança que traga algo de bom ao invês de desperdiçar tempo que não pode ser recuperado.

Tudo começa e acaba em mim, é a parte bonita mas também é a parte feia. Sei como quebrar este ciclo vicioso, é apenas começar, dar o primeiro passo, atirar a primeira pedra, mas é como manter a motivação para continuar quando ficar a um canto a refletir no vazio, a ver o tempo passar se torna tão apelativo para a alma apatica que me sinto no momento.

13
Abr19

manta branca

bii yue

A chuva cai incessantemente lá fora, o vento faz com que ela batesse fortemente no vidro provocando aquele barulho confortante. Sentada no chão e enrolada a um cobertor, ela olhava para as gotas a escorregarem pela janela, a saborear os pequenos momentos de reconforto que o tempo lhe trazia. Ia saboreando o chocolate que fumegava na sua caneta favorita, numa tentativa de prolongar aquele sentimento de conforto e afastar toda a ansiedades e medos que carregava.

"Sinto um peso nos meus ombros, um aperto no peito que não me deixa respirar, uma vontade enorme de chorar. Um coração mole, empático, que se deixa levar pelas emoções. Um cérebro que deixa de ser racional, que se preocupa demasiado, que pensa demasiado. 

Seguir os instintos e arriscar, é o mais certo e sensato no momento. É uma linha muito ténue entre o racional e sentimental. Faz com que a ansiedade e medos cresçam. E se já não fosse suficiente, as pessoas à voltam tem opiniões desatualizadas mas que acabam por influenciar desnecessariamente."

Ela enrosca-se mais na manta que aquecia o seu corpo, enquanto a sua mente vagueia por meio das ansiedades e medos. A chuva vai caindo mais forte, o som a ecoar pelo quarto. 

"Não gosto quando sinto que perdi o controlo, mas também não duvido dos instintos. São os medos e ansiedade que mexem com o meu ser. Responsabilidades, medo do futuro, de não ser suficiente. O lado racional apela ao bom senso, cria planos e agarra-se ao futuro. O lado sentimental luta para afastar o desnecessário, não cair na rede da ansiedade, ter em mente que era um objectivo."

Os olhos começam a querer fechar, aquele ambiente deixa-a embalada, entre a realidade e os pensamentos. Ela bebe mais um bocado do chocolate quente e deixa-se adormecer pelo som da chuva e a luz cinzenta que invade o quarto.

10
Abr19

nova rotina, adaptação a uma vida a dois

bii yue

Uma vida a dois implica uma nova rotina e uma adaptação de horários. Especialmente da minha parte, porque não estou a trabalhar mas acabo por acordar cedo com ele e tendo um sono bastante leve não consigo voltar a adormecer. 

Antes de se começar a notar o dia a nascer mais cedo e ainda era inverno, acabava por ficar na ronha até serem as horas habituais de me levantar, arranjar e ir para a universidade. Voltar da universidade, fazer exercício, ser dona de casa, tentar trabalhar para algo que fosse preciso (universidade, projectos de voluntariado, blog) e não cair na procrastinação de ficar a ver televisão. Já passaram quase 4 meses e só há mês atrás quando os dias começaram a crescer comecei a sentir a necessidade de aproveitar aquele tempo entre acordar e iniciar o dia, porque já chego a casa cansada e parece que nada rende. Isto também começou porque a minha resistência é nula, apesar de fazer exercício mas não gosto de fazer cardio. Decidi que ia começar a fazer exercício logo assim que acorda-se em vez de ser quando chegasse a casa, como já o tinha feito no tempo que ele foi de eramus. As primeiras duas semanas foram mais complicadas, porque o sono e cansaço vão-se acumulando e a vontade de ficar na ronha é enorme. No entanto senti que a produtividade aumentou, tal como a disposição para o dia porque acabo por despertar o meu corpo mais cedo e sinto que aproveito bem esse tempo morto porque é menos uma "preocupação" quando chegar a casa. Agora com este tempo de inverno de volta, a vontade de ficar no quentinho é uma tentação e é preciso obrigar-me e apelar à força de vontade.

Até que gosto de me levantar cedo, ver o dia a nascer e realizar-me que em poucas horas já me consegui sentir produtiva e isso acaba por dar um boost para o resto do dia, também porque dá a sensação que as manhãs são maiores e as tardes um prolongamento, onde existe quase sempre tempo suficiente

Aos poucos estamos a habituar-nos as nossas manias e feitios, dar espaço um ao outro, conhecer as alturas e situações para aparvalhar ou ser sério. Há dias fáceis, em que existe sintonia, há outros que nem tanto, em que a paciência se esgota e mais vale ficar no nosso canto.

01
Abr19

Tirei o 2° siso incluso

bii yue

Eu fui tirar o siso o siso no dia 28 de Fevereiro, pode parecer que o post vêm atraso, mas já se passou um mês e continuo com dores! Voltei a fazer um "vlog" a gravar a minha experiência durante os dias que tive com os pontos.

Quando tirei o 1º siso incluso inchei bastante, mas assim que a minha cara e gengiva começaram a desinchar, as dores na gengiva e osso também foram diminuindo gradualmente. No entanto, desta vez, o siso incluso estava numa posição pior (praticamente deitado debaixo dos molares), pelo que tive mais tempo na mini-operação e foi preciso abrir mais a gengiva e andar a cortar o dente por baixo dos molares e em consequência levei mais pontos, 5. Não inchei tanto, mas tive o dobro das dores nos ossos e gengiva. Felizmente consegui começar a comer mais cedo, por volta do 4º dia, enquanto que da primeira vez foi só no 6º dia que me arrisquei a começar a comer comida mais passada. Seria de esperar que umas duas semanas depois de tirar os pontos ficasse como nova, mas infelizmente isso não aconteceu e pelos vistos vou ficar com extrema sensibilidade para o resto da minha vida. Isto porque quando aquando da tirada do siso, tive que pedir ao dentista para parar por 2 vezes porque não estava a aguentar a broca a cortar o dente e mexer com os nervos dos molares. Como fiquei com um espaço a ser preenchido, os nervos ficaram bastante sensíveis e quando como algo mais rijo ou bebo algo mais frio ou quente, vêm-me as lágrimas aos olhos.

19
Mar19

Qual a minha ambição?

bii yue

Puseram-me esta questão qual era a minha ambição de quando era mais nova. A verdade é que eu nunca pensei ou sequer conseguia imaginar o meu futuro quando fosse crescida, como o sou agora. Apenas tinha em mente que iria fazer tudo para sair de casa assim que tivesse oportunidade! A maior parte da minha adolescência foi agarrada a essa "ambição", só queria que esse momento chegasse e não conseguia imaginar um depois.

Devido a toda a história, essa era a minha ambição (se assim se pode chamar), porque também nunca fui daquelas pessoas que me imaginava já como adulta, ou sonhava com o casamento e coisas desse género. Serei a única? Se calhar não, mas senti-me como uma pessoa que não tinha ambições que valessem a pena. Afinal vivia para quê? Para que futuro? Quais eram as minhas ambições de vida? 

Neste momento da minha vida, gostava de dizer que tenho ambições e se calhar até tenho, mas levo a vida mais por objectivos. Tenho objectivos finais (a chamada ambição?!) , sei que carreira quero seguir, o que fazer para me fazer sentir que estou a viver a vida e não a desperdiçá-la. Sinto que a palavra ambição é demasiado grande para a minha pessoa, porque habituei-me a definir objectivos e viver mais no presente e não a ficar ansiosa pelo futuro

Se sou uma pessoa ambiciosa? Um pouco, gosto de me surpreender a mim própria, gosto de lutar pelos meus objectivos e sentir aquela realização no final. Qual é a minha ambição? Vai ser o clichê de ser feliz e puder chegar a conclusão que apesar dos obstáculos, consegui viver e ter momentos que ficaram gravados na memória (que me fizeram sorrir, que me fizeram sentir liberdade e independência, que me derretem o coração) e me ajudaram a ser a pessoa adulta que sou hoje e irei continuar a ser...

08
Mar19

Dia Internacional da Mulher

bii yue

Hoje é um dia focado nas mulheres e toda a controvérsia à nossa volta. Somos seres humanos por vezes mais sensíveis, mais susceptíveis ao mundo que nos rodeia, que encaram dificuldades acrescidas.

O dia é mais focado na violência doméstica. Nos casos contáveis que acabam em morte, nos incontáveis casos em que as mulheres sofrem em silêncio, nos numerosos casos em que a justiça não actua de forma justa e decide ignorar. A violência é assunto para ser falado, para consciencializar as pessoas porque só assim é que ao longo do tempo poderá haver mudança. É necessário denunciar, ajudar as vitimas a ter essa coragem porque irá ser um ponto sem retorno, onde tudo irá mudar e é isso que é o mais assustador para a vítima. Conscencialização e união são as palavras de poder.

No entanto, também é necessário referir outros assuntos importantes para este dia internacional da mulher. Em pleno século XXI, continua haver mutilação genital em alguns países, continua a haver casamentos forçados, continua a não haver direitos para as mulheres e são consideradas numa escala abaixo dos animais, continua a haver inúmeras castigos que podem levar à morte se a mulher não se comportar como um objecto apenas para servir e agradar ao homem. Ainda há muito caminho a percorrer, guerras a ser ganhas, vozes para serem ouvidas, direitos a ser ganhos.

Há que relembrar e homenagear todas as mulheres que até aos dias hoje que lutaram e lutam para termos os nossos direitos ouvidos, para que haja igualdade de sexo, para que sejamos vistas e ouvidas. Às mulheres da ciência que fizeram descobertas importantes, às sufragettes que nunca desistiram até ter sido feito justiça para os nossos direitos serem aceites, às que conseguiram chegar ao mesmo nível que os homens com muitos esforço e lágrimas derramadas.

O dia internacional da mulher é um lembrete para ser usado como referência da nossa história! Os fracassos que levaram a grandes vitórias para que hoje em dia, uma enorme percentagem de mulheres, tal como eu, tenha a liberdade de se expressar como se sente à sua maneira, para que possa estudar, para que possa ter direitos e dar a sua opinião. É um dia para agradecer, mas também para ter noção que ainda há um longo caminho a percorrer por quem ainda não possuem os mesmo direitos que a maioria sortuda!

02
Mar19

Negligência médica na saúde feminina

bii yue

Saúde feminina, é um tema que finalmente as mulheres estão a ter coragem para falar e partilhar experiências. No entanto, têm sido a geração mais nova de mulheres e isso faz com que ainda haja muitos profissionais que não levem a sério os problemas e acabe por haver bastante negligência e desprezo pela saúde feminina.

Estou especialmente a falar da pílula contraceptivo e os sintomas associados que supostamente são normais, mas não o são! É óbvio que há efeitos secundários associados a todos os medicamentos, mas não me venham dizer que é normal uma pessoa ter enxaquecas que duram dias e que impedem certas vezes o trabalho regular, que é normal uma pessoa ter cólicas que tenha que se encolher, que é normal haver uma tpm tão acentuado que transforme a pessoa no que ela não é, que é normal uma mulher conformar-se e ter que se calar porque o médico é que têm razão, ... NÃO, NÃO É NORMAL OU SEQUER ACEITÁVEL! Isto interfere com a vida da pessoa, causa marcas psicológicas porque afinal o problema somos nós e não a pílula. Esta totalmente errado, porque esta demonstrado que as pílulas de 1º geração eram as melhores e raramente causavam efeitos secundários. Com a evolução da medicina, foram surgindo novas gerações de pílulas e os seu genéricos, mas com isso também trouxe efeitos secundários que é suposto uma mulher aceitar quando causa mau-estar. Não é suposto uma mulher viver reprimida, ser acusada que são só as hormonas e não tarda passa, quando a cada mês que passa só agrava. 

Felizmente é um tema a ser cada vez mais falado, porque muitas e muitas mulheres sofrem com os efeitos secundários da pílula e a enorme influência que tem na pessoa e no dia-a-dia. Há cada vez mais experiências similares e começa a haver uma sensibilização para a saúde feminina. No entanto, os profissionais de saúde do sexo feminino e masculino não estão a acompanhar essa mudança e há inúmeros casos de negligência, sendo o meu um deles. 

 

Já tomo a pílula deste os meus 12-13 anos, comecei com a Diane 35 para tratar de vários problemas e dava-me bastante bem com essa. Passados uns 6 anos, numa consulta a minha médica de família, que continua a ser a actual, decidiu mudar-me e a partir daí começou o ciclo vicioso dos efeitos secundários. Enxaquecas, cólicas, inchaço, retenção de líquidos, tpm extremamente agressivos. Ao fim de 1 ano e meio era obrigada a experimentar uma nova pílula, porque já não aguentava o que sofria. Durante os 3 meses de o corpo de habituar estava minimamente bem, até voltar ao mesmo. Há um ano decidi ir a uma ginecologista, a pensar que desta vez ela iria entender-me e ajudar-me porque era o profissional mais indicado. Não me entendeu, fui gozada e negligenciada! Perguntou-me se a pílula tinha deixado de fazer efeito porque tinha engravidado, eu disse óbvio que não, mas as minhas cólicas e enxaquecas eram agressivas e o tpm transformava-me numa pessoa que não era, porque era sempre chamada a atenção pelo meu namorado. Essa profissional pouco lhe faltou rir-se na minha cara ao dizer isto e eu fiquei a pensar em como é possível uma profissional ignorar as dores de um paciente, especialmente sendo mulher e de certeza passar pelo mesmo. Mudou-me a pílula com bastante má cara, mas ao menos tinha conseguido o que queria. Só que mais uma vez ao fim de meio ano, estou novamente no mesmo ciclo vicioso. Fui expor o caso à minha médica de família, mas mais uma vez não importa o que diga ou o que sinta, que provavelmente o meu corpo precisa de algo mais forte ou de outra geração para não sentir tanto os efeitos secundários. Porque os profissionais de saúde é que sabem, porque são eles que estão no nosso corpo a sentir as dores, angústias e mau-estar, porque são eles que decidem negligenciar a saúde humana, especialmente nas mulheres mais novas

 

A saúde feminina é desprezada! Somos mulheres, somos humanos, temos direito a que os profissionais nos ouçam verdadeiramente e que façam os possíveis para nos ajudar. Não sermos negligenciadas e rebaixadas pelo nosso género, temos direitos a ser ouvidos.

01
Mar19

O sonho não esta morto!

bii yue

6 anos atrás encerrei um dos meus sonhos, no entanto ontem retrocedi no tempo e tomei consciência que poderá vir a acontecer... Voltei muitos anos atrás no tempo, quando ainda era uma adolescente, aquela pita apaixonada por uma banda, todas as memórias, todos os posters, as amizades criadas, todo aquele mundo de Jonas Brothers.

Há 6 anos atrás eles fizeram um comunicado a dizer que a banda tinha acabado e que cada um ia abraçar novos projectos e partiram o coração e sonho de muitos jovens. Mas agora voltam em grande quando ninguém estava a espera e com todas as esperanças em baixo. Não só por ser uma música dedicada as mulheres da vida deles e nota-se como eles cresceram, mas especialmente pelo lado dominante que elas assumem no vídeo. A música é muito boa, o vídeo à primeira vista pode parecer um pouco estranho, mas esta muito bem feito e as sequelas em que elas entram é perfeita! Adoro os momentos simples mas românticos da Danielle, a presença activa da Sophie e mostrar o seu lado mais poderoso, o charme e classe da Priyanka

Como é óbvio nunca parei de seguir o trabalho de cada um, apesar de não relacionar com os estilos de música que desenvolveram. Porque Jonas sempre serão Jonas!, uma banda de 3 que marcou a adolescência, com um estilo pop que começou da disney, mas aos poucos foi-se afastando. Admito que o último álbum deles antes de se separarem, não me agradou. No entanto estou com as expectativas bastante elevadas para este retorno!

Não importa o tempo que passou, serão sempre os Jonas Brothers que marcaram a minha adolescência. Fizeram-me criar amizades e felizmente tive a oportunidade de conhecer duas delas ao vivo, e o histerismo que foi com elas no insta, juro que voltamos todas no tempo a ser aquelas pitas completamente derretidas por eles.

Já não sei quantas vezes já ouvi a música "Sucker" em loop. Estou bastante entusiasmada para ver o que mais eles nos traram no futuro e com esperança que isto não seja uma vez ocasionalmente, mas que voltem a revivar o que eram, mas da maneira adulta que o são agora.

Sobre mim

foto do autor

Parceria/Colaboração

contacto: helenabeatriz12@sapo.pt

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Inspiração


Follow

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.