Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

because your smile make me live ♥

so strong, so broken

because your smile make me live ♥

so strong, so broken

30.Nov.16

*nostalgia de estar só

A nostalgia de ser uma pessoa solitária, de viver sozinha, e ter que ver mais um dia a passar. Mesmo tendo contacto com as pessoas continuo sozinha, a contar as horas, a sentir a dor da saudade no meu coração.

É contigo que eu quero partilhar a minha nostalgia de saber o que é ser uma pessoa solitária que não teve outra opção a não ser lidar com a solidão. É contigo que quero partilhar as minhas alegrias e tristezas, ter que ficar à espera da altura para falar é como ir tirando um penso lentamente e há sempre algo que se acaba por perder no meio.
Sem ti, não é a minha zona de conforto e deveria aproveitar para ultrapassar os meus limites, mas estas constantemente na minha mente e a saudade acaba por ser um sentimento tanto de terrível como de maravilhoso.

27.Nov.16

ouçam-me, já não sou uma criança

É vergonhoso, voltar a sentir toda esta revolta de 18 anos e sentir-me impotente porque tenho um futuro incerto e pendente.

Nunca pensei voltar a sentir-me assim, revoltada, envergonhada, saturada... Novamente numa prisão, que não sei como quebrar, com liberdade contida em mentiras que já não resultam, a voltar aos meus 18 anos sem conseguir parar. 

Agora sei que a melhor decisão foi ter lutado contra a maré (e continuar a fazê-lo) e não ter desistido da minha liberdade, é o que mantém sã, no meio deste caos.

Gostava de poder fugir, de ter a coragem para falar, não pensar tanto e estar a adiar o inevitável. 

Preciso tanto de ti, quero-te de volta! Sou forte, mas estou assustada.

22.Nov.16

*não quero mais sentir

Quero escrever, mas não quero sentir. Estou doente desta dor, deste buraco que é o meu coração.

Tento levar a vida com o meu lado racional, pensar no que o futuro ainda me reserva, mas há alturas que é tão complicado impedir que certos sentimentos não venham à tona, e que isso não tome conta de mim e faça filmes na minha cabeça.

Quanto mais se aproxima a tua chegada, mais os meus sentimentos e saudades aumentam. Deveria sossegar, habituada à rotina, às situações, a saber que tenho que sobreviver, seguir com a minha vida... Mais uma vez é tudo menos justo ou faz sequer um pouco de sentido.

 Ensina-me a ser como tu, porque a tua chegada esta perto, mas o que vem depois disso assusta-me cada vez mais!

19.Nov.16

*aquelas horas que parecem eternas

Os dias passam minimamente rápido, mas há horas que parecem eternas. Nessas horas, a tua falta e as saudades são ainda mais constantes, o buraco no meu coração aumenta.

Esta dor que teima em reinar, este vazio que apenas é distraído e enganado quando falamos, esta solidão que arrasta todos os maus sentimentos, que em certas alturas são impossíveis de ignorar levando-me, uma vez mais, à montanha russa que tem sido desde que partiste.
Os pequenos gestos passam a ser tão desejados, os momentos invejados para que fossem eternos, só quero que voltes porque preciso tanto de ti! És a realidade para os meus choros por ser tão sentimentalista e deixar-me ir tão abaixo, és o meu chão para quando me deixo sonhar demasiado, és a principal razão para continuar a lutar sem saber como e por um sorriso na cara.

Mesmo estando a sobreviver, estou a aprender quem sou. As pequenas vitórias que podem ser pequenas, são apreciadas porque não desisti!

16.Nov.16

*o "pesadelo" de acordar para mais um dia sem ti

Porque é que continuo a acordar e sentir desta maneira, tão perdida, tão vazia, tão sem vida.
Diz-se que com o tempo torna-se mais fácil, mas para mim isso não é verdade. A rotina volta a instalar-se, mas os sentimentos e memórias continuam, o que torna difícil lidar comigo mesma! Já devia ser capaz de lidar comigo e com a situação, mas não o sou e isso acaba por me deixar ainda mais frustrada...
Porém as máscaras são bem usadas nos piores dias, naqueles que só quero chegar a casa para poder chorar e deprimir, à espera das tuas palavras que nunca sei quando podem chegar.

Talvez seja sentimental demais, te ame demasiado, seja demasiado fraca sem ti, mas continuo a lutar e com a "falsa" esperança que amanhã poderá ser melhor. Porque comigo, infelizmente ou felizmente, não há metades, dou e sinto tudo e sendo um coração mole espero demoradamente o mesmo.

É contagem decrescente, mas continua a ser tão doloroso lidar com toda a saudade, com a nostalgia e dor que ela provoca. Os dias vão passando, uns mais rápido que outros, uns melhores que outros, mas a tua presença não sai do meu pensamento. Estas constantemente presente e ansei-o tanto pela tua chegada, quero voltar a sentir o teu abraço apertado que me faz sentir em casa.

 

13.Nov.16

depressão de sentimentos

Sou demasiado sensível e sem o teu abraço-me, sinto-me cada vez com menos forças quando a maré traz tudo e não me consigo manter de pé. Agarro-me as memórias das sensações, mas quero novas, não este ano de stand-by em que tenho tanto em que pensar, a sentir-me sozinha e a fazer-me de forte quando há certos dias que só quero chegar à casa para poder chorar toda a dor que sinto.

Cada vez me sinto menos confortável com as situações, comigo própria. Há os dias bons e os dias maus, que infelizmente têm prevalecido. É frustrante porque quero sentir-me capaz de lutar e lidar contra o que sinto, o que se passa à minha volta...

14517633_1199717463415080_4807785881017535380_n.jp

11.Nov.16

*broken

I'm sick of feeling this hole on my chest that grow day by day.
I'm tired of missing you and can't talk when I/we need.
I'm sad for myself because I can't live without you, I'm just surviving and you are fine and living the dream.
I'm ashamed for all the days that I ended crying because I'm not strong enough.
I fear for myself because I'm trying my best, but you can't imagine how deeply broken I am.
I hate this distance, I hate this feelings of time wasted and the bad feels about myself and can't deal with that.

I'm so sad, I want you here by side!

09.Nov.16

"Before the flood"

Aconselho a todas a pessoas a verem este documentário "Before the flood". 

As alterações climáticas estão a acontecer e não são com pequenos gestos, como erradamente as pessoas pensam, que se travar, é na mudança da própria consciência e saber ter uma palavra, uma opinião a ser dita e ouvida pelos principais problemas que são os politicos! 

Sendo da área de ciência e graças ao meu projecto final, ter descoberto a área que realmente gosto, mais as cadeiras que se focaram mais na área ambiental, com este documentário fiquei ainda mais interessada e convicta que quero trabalhar nesta área. Com este documentário e com o que aprendi e estou a aprender nas cadeiras direcionadas ao ambiente, fiquei ainda mais consciente da verdade chocante, mas infelizmente demasiado suavizada pelos interesses económicos e politicos. Agora percebo as palavras de ser um cientista é gratificante, mas ao mesmo tempo é estar contra as ideias e é duro sobreviver lá fora.

O documentário é mesmo muito bom, para pessoas que não estão muito dentro ou cientes do esta por trás das reais ameaças das alterações climáticas vai fazer pensar, porque as verdades finalmente foram ditas. É as pessoas que vivem nas áreas menos desenvolvidas, que realmentem sentem os efeitos destas mudanças porque ficam sem o que comer ou onde viver e isso é assustador, porque ninguém as quer ouvir, não é conveniente para a ideia de por um penso sobre o assunto e fica temporariamente resolvido.

O planeta esta a aquecer e as mudanças são mais que visiveis, porém a Europa vai arrefecer, e na minha opinião os politicos vão usar isso e estão a usar isso a seu favor, mas isso é só porque com o derretimento do gelo dos pólos, as correntes vão se tornar mais lentas e deixar de trazer o calor tropical a que estamos tão habituados. São as correntes que controlam a vida do nosso planeta, a nossa fonte de comida e outras coisas mais especificas que nos levam a dizer que a poluição esta a aumentar, mas não é verdade, apenas esta mais visível por as correntes maritimas não serem as mesmas de há uns anos atrás. 

No fundo é tudo um jogo de dinheiro e poder, mas os combustíveis fosséis estão a acabar mais depressa do que realmente se faz parecer, só que também não é conveniente devido aos jogos mudar para as alternativas. Infelizmente, é mesmo triste e degradante, a visão com que fiquei de como o poder e dinheiro governam um mundo, e que se não formos capaz de provocar um mudança, a minha geração e as seguintes vão viver as consequências que poderiam não existir se houvesse mais "liberdade de expressão", se as ações fossem tomadas mais rápidas, se fossemos mais conscientes...

 

06.Nov.16

*o mental dos 45 dias

Tinha uma meta mental para os 45 dias, metade dos 90 dias já passaram e eu continuo a dar o meu melhor para viver mais um dia, já só faltam outros 45 dias para voltar a ter-te nos meu braços, sentir o teu cheiro e poder finalmente voltar a dizer que estou em casa. Infelizmente haverão mais 6 meses, mas já estamos a metade de metade desses. 

Esperava que por esta altura já fosse capaz de lidar bem com os meus sentimentos e emoções, viver sem ter a ansiedade ou depressão à bater constantemente à porta. A verdade é que a ideia que eu tinha de uma relação à distância é que ira ser mais fácil e iria ser como em "histórias" que ouvia. Estava errada! É complicado, o lado que fica é quem acaba por sofrer mais porque pouco se altera na rotina e a falta da pessoa é muito mais sentida, depois vem as memórias despultadas pelas coisas mais simples no ambiente ao redor. Mas também não é fácil para a pessoa que vai, apesar de ter mais distrações e uma vida completamente nova e querer e precisar de aproveitar, a falta e as saudades também são sentidas. Depois vêm os pormenores e as circunstâncias, a falta de tempo, privacidade, incompatibilidade. Mas quando se ama, não há desculpas, há sempre uma oportunidade para aproveitar, uma mensagem ou uma chamada não levam assim tanto tempo e no fim compensa sempre para diminuir a distância.

Como pessoa aprendi e continuo a crescer, sei quem sou e sei o que quero! É nisso quero agarrar-me e continuar a aprender, a como conviver comigo própria. Ganhei a minha rotina e sempre que posso, ou tenho forças acrescento algo ao meu dia para a monotomia e a solidão não se tornarem tão pesadas. Porém viver com ansiedade e sentimentos e emoções que me levam a uma depressão, trouxeram o meu lado negro de volta. A escuridão é confortável, mas não é um bom lugar para se viver porque põe-me constantemente no limite à espera que o dia seguinte seja melhor, ou tenha força suficiente para me agarrar a luz de presença, que estava ali para mim ao fim do dia. 

Acabei por criar uma separação entre a minha personalidade, a parte racional que tenta estar focada nos seus objectivos, agarra-se as palavras que leva no coração, aqueles pequenos momentos e gestos, que no final desta experiência estarei ainda mais forte e preparada. E a parte emocional, que infelizmente, é um problema porque a cada dia que passa a dor da saudade e falta física são mais sentidas e só aumentam aquela ferida que ninguém é capaz de entender. Perco completamente à minha razão, sobrecarregando a pessoa que mais amo porque tento aguentar tudo sozinha. Sempre mantive tudo para mim, até alguém roubar o meu coração e fazer-me voltar a ligar, a partir daí as pessoas que considerava mais próximas simplesmente desapareceram ou a vida aconteceu e magoou. Inconscientemente voltei a fechar-me no meu lugar escuro confortável e sussurrar aquela luz de esperança. Estou cansada de passar os dias a chorar, à espera que algo mude porque isso não irá acontecer, mais uma vez magoou profundamente. É assim a minha "sina" por enquanto, vai continuar a doer, vou continuar a ter crises de desespero mas não posso viver na escuridão por mais que seja o lugar onde me sinta mais confortável. Os sentimentos do início voltaram à tona e isso esta a levar-me novamente ao extremo e eu tenho que ser parada!

Ao fim de 45 dias continuo a sobreviver e a lutar contra mim, contra a distância, contra os sentimentos, pressão, mas apesar da profunda dor e da solidão que sinto, não estou sozinha. Voltei a dar uso aquelas máscaras guardadas no armário, sei o que é preciso ser feito para sobreviver e não sucumbir ou perder-me nos túneis da escuridão.

Desculpa, mas sou uma pessoa complicada, é preciso ter paciência e ser chamada à realidade várias vezes. Sou assim e gosto e não vou mudar porque apesar de serem os meus defeitos é o que me faz ser aquele doce coração.

05.Nov.16

silly, silly girl

Silly girl, you need to face it.

You can't keep crying forever, the world is outside, not in your room waiting for his message or call. He's gone and is living without you, you stay, feeling miserable and sad, but you are so much strong than all the bad feelings that it brings.

Unconsciously, you already create your safe wall, the two personalities so gives them use. You're starting to understand who you are and what are capable of, let the rational part guide you and push the sentimental part for to the dark corner once again.

Be strong to accept the facts, you need him and love him, but you're by yourself because life suck's and you need to keep doing, no matter what it hurts... Keep the faith close to the heart, and let the dreams and emotions go.

You're already in the downhole, alone so let's be the darkness and just let it go. 

"Figure out the rest on your own"

Pág. 1/2