Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

because your smile make me live ♥

forceful, trust, connected & discovering the wonders of the universe ✨

because your smile make me live ♥

forceful, trust, connected & discovering the wonders of the universe ✨

29
Jul19

o prazer de saber que (tentaste) fazer a diferença

bii yue

Desde há 2 anos atrás que tenho feito os programas de voluntariado disponibilizados pelos IPDJ, onde tenho trabalhado sobretudo com crianças, a abordar os temas "Navegas em Segurança" e "Namorar com Fairplay".

Só que este ano foi diferente e posso dizer que transformacional.

Continuei a apresentar o "Navegas em Segurança" à crianças, mas desta vez ainda mais pequenas do que as que estava habituada. E é assutador o que elas observam e captam de ações dos pais, especialmente a maneira como depois contam certas situações. A minha geração (a dos anos 90), não crescemos com tecnologia mas acabamos por a apanhar ao longo ou final da nossa adolescência, e agora é algo com que já não podemos passar sem. E os mais pequenos sentem e são afetados por isso, ouvi comentários de "leva o telemóvel para todo o lado, até para a sanita", "já apanhou multas por estar a conduzir com o telemóvel", "esta sempre a escrever mensagens e a falar ao telemóvel". São hábitos inerentes mas não são saudáveis, porque que exemplo estamos a dar a geração que esta a vir? E infelizmente, com isto vem as histórias dos jogos que podem levar à morte, as chantagens e roubo de dados, que assustam as crianças mas ao mesmo tempo passam ao lado porque estão tão fascinados com este mundo tecnologico e vêem-nos a usá-lo a toda a hora, que querem imitar-nos... Aqueles comentários da inúmeras vozinhas fez-me perceber que a tecnologia é algo tão natural e estamos tão absorvidos que acaba por ser absurdo. Temos palas que não nos deixam entender a mensagem errada que estamos a transmitir, os momentos que estamos a deixar passar.

O "Namorar com Fairplay" este ano foi juntamente com outra voluntária na escola profissional de aveiro, por isso o público alvo já eram adolescentes e com faixas etárias variadas. Foi um autêntico desafio! Primeiro porque os temas abordados numa primeira fase foi a igualdade de gênero e o quanto o machismo esta enraizado e numa segunda fase a violência no namoro e doméstica e no final produzir-se conteúdo. Houve um pouco de tudo, turmas que apresentaram um maior desafio porque ou eram mais irrequietas e uma mentalidade ainda infantil ou tinham aquela mentalidade enraizada que "é normal", outras que até foi algo bastante natural e flui bastante pelo que deu para partilhar experiências e debates saudáveis. No último mês estivemos a trabalhar com idades superiores as 16 anos, pelo que a mentalidade e experiência já são outras, e o nosso discurso também já estava muito mais treinado e iamos logo diretas ao ponto da questão. Tenho que também saliantar que a equipa da escola é excelente e a maneira como eles ensinam é algo revolucionário que devia ser implantado em outros locais. 

Tenho que admitir que falar sobre os temas começaram a mexer comigo (há tantas histórias que não são contadas, que deveriam para as pessoas terem noção de como é verdadeiramente a realidade), o quanto a sociedade esta errada e que há muita coisa que "é normal e bla, bla, bla" e pelo que uma mulher passa todos os dias e continua calada quando é necessário que se fale e sejam feitas denúncias para que se tome consciência de que é preciso tomar medidas. Houve uma turma que me fez tomar consciência que durante este último ano consegui(mos) fazer a diferença, que as palavras foram ouvidas e interiorizadas. Estavamos a falar ao mesmo nível que eles, e eles a olhar e focados em nós, como que a comer cada palavra que era dita, simplesmente não tem descrição o sentimento de realização, gratificação e satisfação. Foi nesse momento que soube que consegui fazer a diferença e impactar a vida de algumas pessoas. 

21
Jul19

lethargy

bii yue

Is breaking my heart,

Is shattering my soul,

Is making me feel disconnected about what is to be a human,

A rollercoaster without an end or a beginning, just spinning around without a certain path.

Without motivation,

With work accumulating 

With goals being lost,

With a passion that starts to disappear, giving place to constant lethargy.

Living, but screaming for a way out! 

Break the wheel once for all, staring do but don't stop in the middle...

Where did I lose myself? 

How can I find myself? 

11
Jul19

Dia 21 de Journaling

bii yue

Hoje escrevo as palavras que eu própria preciso de ouvir.

Não te esqueças de te focar no que é necessário e importante, no momento. Vai haver sempre imensas distrações, mas foca-te. Tu és capaz de vencer a preguiça e autodisciplinares-te quando é necessário. 

Acredita em ti e não desistas do que queres. Tens a liberdade para viver, sabes o que queres, só tens que dar o teu melhor e lutar por isso.

Tem planos para o futuro, mas vive no presente.

IMG_7659.jpg

trabalho de @picbabbs

11
Jul19

Como te sentes?

bii yue

Se me perguntarem como realmente me sinto não o sei definir. É um vazio que se foi criando, um acostumar com a nova realidade. Tanto se têm passado, que é difícil recordar de como era o "antes". Juntamente com uma empatia terrível que acaba em se transmitir por um distanciamento não intencional. Fico no meu canto agarrada ao que não consigo alcançar, a encolher os ombros para o que devia estar a agir e a lutar. 

Não existe culpa de ninguém, é assim que a vida é... Um pessoa tem que se acostumar, mas saturação é inevitável. Isto porque depois as pequenas coisas vão-se juntando e a paciência acaba por se esgotar. Não quero que as coisas estejam neste limbo, mas a minha energia esta cansada.

Voltei a adquirir a mania de por a máscara e depois quando penso em mim, fico a sentir-me culpada de culpa que nem sequer deveria existir porque as escolhas são minhas. É uma máscara segura, mas esconde a melancolia e o vago que é a realidade. 

São dias longos com um tempo livre mas que nunca é verdadeiramente de qualidade. Há sempre algo que gosto que ponho de lado, como abrir uma gaveta agora, fechá-la e a seguir para a outra e repito desde o início. Não deveria ser assim, deveria ser capaz de abrir todas as gavetas ao mesmo tempo, só que o cansaço e letargia estão constantemente a vencer-me

Quero-te de volta! 

Sinto falta de como era antes. Das pequenas atenções, do carinho, de chegar a casa e poder contar com o inesperado. 

Quero voltar a encontrar-me....

10
Jul19

Dia 20 de Journaling

bii yue

O que faria de diferente se me amasse incondicionalmente?

Nada (?) O que é amar-me incondicionalmente? 

Tenho confiança em mim mesma, na minha imagem (pelo menos maior parte das vezes). Gosto do que vejo no espelho, aprendi a aceitar a pessoa que sou. É uma aprendizagem constante para descobrir mais a fundo quem realmente sou, e melhorar esta pessoa. 

Continuo a ser humana, existem dias em que não gosto do que vejo, não gosto do que sinto. Nada parece certo e ficar isolada a um canto soa a ser a melhor decisão. Mas esses dias também fazem parte, e podem acabar por dar para reflectir e ajudar para que os próximos dias sejam melhores.

Pôr-me em primeiro lugar, aproveitar mais oportunidades... Dedicar mais tempo à fotografia e à escrita.

IMG_20190205_151730.jpg

09
Jul19

Dia 19 de Journaling

bii yue

Se pudesse falar com o meu "eu" de há 10 anos, qual seria a coisa mais importante que teria para lhe dizer?

Há dez anos atrás estava a caminho dos 15 anos, ainda me sentia um patinho feio, não tinha qualquer confiança em mim própria. Não fazia a mínima de quantas voltas a minha vida ainda iria dar, era ainda uma pita histérica pelos jonas brothers. A revolta de viver numa prisão estava ainda só estava a começar.

O que provavelmente lhe poderia dizer é que "não te preocupes, melhores dias virão. Agarra-te à esperança e ao futuro.".

IMG_20190204_160702.jpg

08
Jul19

Dia 18 de Journaling

bii yue

Como é que gostava que os outros se lembrassem de mim no final da minha vida?

Aquela mulher que estava sempre com um sorriso e uma palavra amiga. Com várias faces, mas que sempre foi verdadeira a si mesma. Uma emocional, mas com espírito selvagem.

Sempre lutou, não importava as vezes que se deixasse ir abaixo e ficasse por lá, era capaz de se voltar a levantar e seguir em frente.

1.jpg

trabalho de @picbabbs

07
Jul19

Dia 17 de Journaling

bii yue

Do que é que estou a abdicar?

Viver mais (?)

Sou uma pessoa que muitas vezes põe as necessidades dos outros à frente das minhas. Tenho noção que abdico, e é uma coisa que tenho que aprender a lidar e melhorar!

Cresci já sempre a espera de ouvir um não, por isso grande parte das vezes já nem sequer perguntava por autorização e dizia logo que não. De algum modo, parte dessa maneira de viver ficou e continuo a transpor isso para não ter que levar com sermões desnecessários. Só que não esta correto.

Do quando abdico? Até que ponto isto vai me estar sempre a controlar? Porque este receio/medo de "desapontar" prevalece sobre a minha forma de viver? Óbvio que não quero continuar a abdicar, pelo contrário quero viver o mais que puder. É uma emoção que tenho que saber controlar, continuar a aprender e saber como me pôr em primeiro lugar de um modo saudável. 

Aproveitar as oportunidades.

IMG_8240.jpg

trabalho de @picbabbs

05
Jul19

Dia 15 de Journaling

bii yue

Sobre que tópicos preciso de aprender mais para conseguir ter uma vida mais preenchida e realizada?

Preciso de apresentar uma tese, com isso será mais uma etapada concluída, por isso aprofundar ainda mais sobre o meu tema.

Melhorar o meu inglês, mais especificamente a comunicação que é onde tenho uma enorme falha.

Aprender mais sobre gestão, qualidade, auditorias, e tentar virar-me mais para a parte ambiental.

Depois tenho alguns temas que gostava de saber melhor porque me chamam a atenção (astrologia, reiki) e sinto que com isso iria acabar por me dar a conhecer ainda melhor e conseguir gerir melhor as energias à minha volta e como me deixo influenciar por isso, mas não sei bem por onde começar (é demasiada informação e não esta organizada de forma simples, ou para aprender de uma forma organizada envolve custos que não existem neste momento)

São tudo trabalhos em processo, que tento não deixar completamente de lado e fazer um esforço para voltar e não desistir... É algo que ainda tenho que melhorar, uma melhor gestão de tempo, um auto-controlo mais preciso.

2.jpg

trabalho de @picbabbs

Pág. 1/2

Sobre mim

foto do autor

Parceria/Colaboração

contacto: helenabeatriz12@sapo.pt

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Inspiração


Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me