Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

because your smile make me live ♥

forceful, trust, connected & discovering the wonders of the universe ✨

because your smile make me live ♥

forceful, trust, connected & discovering the wonders of the universe ✨

30
Set19

Sexo sem culpa

bii yue

Há uns dias atrás descobri o movimento #sexosemculpa da adesarrumada pela bla bla bla e não podia estar mais entusiasmada! 

Há temas que tem que ser falados e este é um deles, sem tabus porque todo o ser humano faz sexo, todo o ser humano se masturba, todo o ser humano vê porno. pelo menos uma vez na vida

Quem me conhece sabe a pessoa de mente aberta que sou, não tenho nenhum pudor ou meias medidas a falar deste tema e tudo o que o envolve. Aliás eu até me entusiasmo, porque não entendo a razão de criar tanto tabu e segredo. Descobrir o corpo, masturbação, porno, brinquedos sexuais, sexo é algo que vai surgindo com o crescimento do ser humano e a curiosidade faz querer saber mais. Isto acontece num clique, vai-se ao google, e nesse momento descobre-se um mundo sem limites, onde cada um é livre de se descobrir e decidir o que gosta ou não. 

Porque é que um homem pode falar de sexo sem ter nomes associados, mas uma mulher já é julgada quando os desejos e vontades são as mesmas? A "ideia imposta" é que a mulher seja mais recata e pudica, mas se faz uso da sua voz já é uma javarda que não teve educação. Mas e todas as piadas de sexo que os homens dizem e todos se riem, já não é não ter educação? Dá que pensar, mas muito felizmente esta a acontecer uma evolução da sociedade. As pessoas estão mais abertas a temas mais sensíveis e fazem um esforço para pôr os julgamentos de lado. 

Vamos admitir, todos nós temos aventuras, opiniões, todos nós o fazemos e se quisermos falar disso qual é o mal? É para isso que existe a liberdade de expressão! No secundário encontrei as primeiras pessoas com as quais pode falar sobre masturbação, sexo e brinquedos. Na universidade encontrei um grupo onde conversa sobre sexo era o prato de todos os dias (quem tem amigos gays e a conversa não esta constantemente a fugir para esse campo?), e não há melhor sensação que poder contar experiências sem julgamentos, aliás até se aprende algo novo e a nossa mentalidade e tolerância desenvolvem-se.

Aprovo e quero dar a minha contribuição para este movimento. Porquê haver tanto mistério de volta de um tema que deveria ser falado como outro qualquer, apenas tem que se saber respeitar opiniões e limites de cada indivíduo.

28
Set19

falta de noção? falta de respeito?

bii yue

Não gosto de colocar rótulos em mim mesma de ser ou não feminista. Devem existir direitos e deveres iguais, porque somos humanos e não deveria existir descriminação. Deve haver respeito e consciência pelo próximo. A culpa é da sociedade, mas também é das pessoas que ainda têm uma mente fechada, não param e olham para compreenderam o porquê de se exigir o acima. 

Fiz voluntariado, onde sei que fiz a diferença em pelos menos alguns seres humanos e isso enche-me o coração de gratidão. Tudo o que lhes dizia é o que acredito,  porque a nossa geração e a deles são as chaves da mudança, as que ainda têm um futuro pela frente.

Vamos a conversa importante. Não estou aqui a dizer que os homens também não sofrem, porque sofrem. Apenas as mulheres são mais bombardeadas todos os dias e calam-se! Se nos calarmos a sociedade não avança, ninguém irá perceber o quão urgente é preciso tomar medidas para prevenir e mudar comportamentos machistas. 

Quantas vezes vamos na rua, a fazer a nossa vida e levamos com piropos nojentos ou não. As pessoas podem apelar que no fundo nós gostamos, mas aqui a questão não é gostar ou não gostar, é a maneira como é expressado! É uma invasão do nosso espaço porque nós não pedimos por nada, independentemente de estar bem ou mal arranjadas, de estar num dia em que nos sintamos e transmitamos mais confiança ou não. Há uma invasão que vai deixar um desconforto e o ser humano tem tendência a guardar isso para si, calar-se e seguir como se nada tivesse acontecido. Há alturas que queremos responder, mas pensamos que não irá fazer diferença, que como somos mais fragéis, a pessoa pode vir atrás e ter consequências piores. São medos gerados por comentários que ninguém pede, porque não existe uma consciência e respeito pelo ser humano, especialmente o sexo feminino. 

Sempre mantive esta opinião para mim e para as sessões de voluntariado, mas houve um acontecimento que me traz aqui, que me faz querer gritar ao mundo "ACORDEM E APRENDAM A RESPEITAR O PRÓXIMO!".

Reconectei-me com a natureza, por isso adoro os meus passeios na praia, a sentir a areia nos pés, o vento com salitro a bater no meu corpo, aproveitar cada sensação e ter uma conversa comigo mesma para me alinhar. É o meu momento a sós, onde estou sozinha com a natureza. Eu parto do sobreposto que quando uma pessoa esta a caminhar sozinha na praia, é porque lhe sabe bem e quer aproveitar esse momento. E isto pode ser na praia ou noutro lugar qualquer em contacto com a natureza. Uma pessoa não quer ser abordada por homens, só porque eles vêm ali uma mulher sozinha e supostamente indefesa a andar sozinha. Se isto acontecesse numa cidade, num espaço fechado enquanto estamos a espera, é completamente normal porque é aquela conversa de circunstância. Se querem falar vão para uma zona que dê para falar com pessoas, não invadir o espaço de quem apenas que aproveitar o seu momento e que acaba por ter que dar meia volta para trás por causa de homens que não sabem respeitar uma mulher. 

Posso estar a levar isto para o extremo, mas esta situação deixou-me extremamente desconfortável. Tive que voltar para trás porque não queria falar, queria estar em silêncio comigo própria, e mais a frente volta a acontecer a mesma situação com outro homem que tentou ser invasivo. Não!, isto não é correto. Isto é falta de noção, é um comportamento a puxar para o machismo só porque vêm uma mulher nova sozinha, que no pensamento deles deveria estar a gritar para virem se intrometer. 

Infelizmente já tive as situações comuns do dia-a-dia dos piropos, aos quais já não me calo. Tenho uma voz para ser ouvida, porque eu não pedi por nada. Nesta, apenas me afastei de forma educada e só queria chegar ao carro e gritar. São situações que não se podem dar importância, mas a verdade é que são situações que nem sequer deveriam acontecer em primeiro lugar, se houvesse respeito e não estas ideias das diferenças entre sexos. 

O ser humano é um alvo, especialmente o sexo feminino. É preciso agir, por isso estou aqui a contar a minha história. Felizmente não é nada grave, porque infelizmente existem demasiados casos desses com consequências terríveis. Quando nascemos somos todos iguais, porque têm que se impor as diferenças de sexo e a medida que crescemos e estas só aumentam e acentuam-se? É realmente necessário exigir uma mudança, sermos a mudança!

Eu poderia ter dito que não desde o início, que era o momento a sós. Não tive a coragem de dizer o não, porque há sempre um receio da resposta do outro lado. É suposto sermos simpáticos assim fomos ensinados, mas esta mentalidade também tem que ser mudada. Foi a primeira vez que me aconteceu uma situação destas, é completamente natural não saber como agir corretamente e só no final é que nos apercebemos que deveriamos ter tomado outra atitude. Aprendi a minha lição, tenho que ganhar a coragem de dizer que não. 

27
Set19

Desafio dos pássaros #3 - Aventura em Budapeste

bii yue

Perdidos por Budapeste as 5 da manhã!

Depois de uma viagem de mais de 8 horas de autocarro desde Cracóvia e uma dormida leve. Com um frio terrível que nem uma camisola e um polo térmico me deixavam não tremer. Da estação apanhamos o metro (que já por si foi engraçado decifrar e acabamos por simplesmente imitar as outras pessoas que também tinham ido) até à cidade. Era de madrugada, não se via alma viva, nevoeiro, um frio de cortar os ossos, telemóvel sem roaming e sem internet, sem mapa. Completamente as aranhas, acabamos por perder de vista as pessoas que tinham vindo no metro, decidimos ir até as pontes e seguir numa direção. Pensamos que assim seria mais fácil encontrar algo que estivesse aberto aquela hora até ser de manhã e encontrar alguém que fosse capaz de nos situar e depois sermos capazes de encontrar o hostel. Começamos a caminhar e caminhamos e caminhamos… Mas não se via nada que se parecesse com o que era suposto da cidade, apenas edifícios velhos e degradados, com estragos ainda da 2º guerra mundial. Houve momentos que o desespero começa a tomar conta de nós misturado com os corpos já regelados do frio, deviam estar alguns graus negativos a meu ver, mas que deviam ser apenas 0-5ºC. Voltamos para trás, até voltarmos ao ponto de partida, mas nisto já tinham decorrido umas 2h. Já era de manhã, encontramos um café que me soube pela vida, nunca tinha desejado tanto um lugar quente. De corpo e barriga cheia fomos à procura do hostel e assim podemos finalmente dar início à exploração da cidade.

Até que ao final do dia para sair do apartamento do hostel, ficamos trancados na porta exterior. Aquilo era um prédio antigo, mas por dentro tinha sido remodelado e a porta exterior era daquelas grades pesadas. Nenhum de nós conseguia abrir, tivemos que ligar à rapariga do hostel que nos tentou explicar o truque para abrir e ao fim de quase 15 minutos estávamos livres. Era suposto irmos fazer uma walking tour, mas já não íamos chegar a tempo e decidimos ir fazer o passeio pelo Danúbio que foi incrível!

Sejam espertos! Não sejam como eu, que foi à sorte e acabou por passar o frio da sua vida.

Mas foi um dia que esta marcado também por aspetos bastante positivos!

24
Set19

lembranças #1 - 1º dia de aulas

bii yue

Esta semana começaram as aulas e com isso vieram as lembranças...

Do 1º dia de aulas, o quão assustada estava e tinha que vencer a timidez para me conseguir desenvencilhar porque entrei para a universidade em 2º fase (quando os grupos já estavam formados e já toda a gente se conhecia). Foi complicado, foram muitas mudanças de repente. Só que ao olhar para trás e ver no lugar onde me encontro neste momento, é nostálgico por todo o crescimento até ao agora.

Não gostava de voltar ao meu 1º ou 2º ano, mas sim ao 3º ano. Quando conheci as pessoas que iriam transformar a minha visão sobre o mundo e fazer-me descobrir como pessoa. Foram 2 anos tão intensos, com inúmeras histórias criadas e partilhadas, memórias tão boas que me enchem o coração. Só há pouco tempo consegui deslargar-me do sentimento pesado de deixar de ter contacto com as algumas delas, tentava insistir em algo que não era correspondido do outro lado e só me deixava uma mágoa enorme. Ainda dói, mas é assim os ciclos da vida e não é por deixar de haver contacto que as memórias e sentimentos se apagam

Estranhamente (ainda) não tenho saudades de ter aulas. Continuo a ir à universidade e estou demasiado bem com esta rotina de fazer os meus próprios horários e não ter que estar preocupada se vou chegar ou não atrasada. É outro patamar, um dos melhores a nível por sermos donos de nós próprios, mas também com mais responsabilidades e outro mindset de vida. 

Quando dizem que são os melhores anos, é a pura verdade! 

E quando encontram as pessoas que se preenchem é uma experiência que vos vai revolucionar e transformar a todos os níveis.

20
Set19

Desafio de escrita dos pássaros #2 - O amor é um estalo

bii yue

Sparkle!

Aquelas borboletas no estômago, aquele nervosismo de não parar quieta, aquele risinho forçado e tímido. Tudo coisas que não se controla quando se esta apaixonado. O quão bom é esse sentimento pelo corpo, como se fossem aqueles mini fogos de artificio que se usa nos bolos de aniversário.

É um estalo!

Quando não se quer encarar o que esta mesmo à frente dos nossos olhos, que tentamos com todas as nossas forças arrumar num canto ignorando o que é dito e não dito, o que sentimos, mas não somos capazes de admitir a verdade por ser assustador. Por vir a despertar emoções novas que não sabemos como controlar

É transformacional!

É incrível como as outras pessoas nos podem fazer sentir, o amor pode vir de determinadas maneiras e feitios. Mas não têm que vir necessariamente de um ser humano, um animal também pode ensinar o que é uma amor de uma maneira mais profunda. É puro, sem segundas intenções. É natural e inesperado. É capaz de consolar a alma em segundos com o peso em cima do nosso corpo. Dar segurança com a sensação de passar a mão no pelo.

É único!

Quando descobrimos como realmente nos amarmos, não há volta a dar porque torna-se algo único e brilhante.

18
Set19

nem sempre é só a boa energia

bii yue

Eu juro que estou super feliz com esta transformação e grata por todos os pequenos encaixes. Acredito que as coisas acontecem por uma razão. As coisas vão-se conseguindo e resolvendo. 

Não esperava por esta enorme chapada, que me faz questionar nestas crenças. Especialmente por ser algo desejado por tanto tempo e que iria trazer uma enorme realização pessoal. Torna-se ainda mais frustrante por ser algo facilmente contornável mas não esta de todo nas minhas mãos, aliás só traz mais falta no campo da saúde em portugal.

É só um desabafo de uma pessoa que esta aos poucos a mudar os hábitos e pensamentos e leva com uma enorme nega em algo que ia ser tão honrável e o seu coração queria tanto. Só me vêm a cabeça o porquê? O que fiz para não poder concretizar um objectivo? 

Sei que não são essas as perguntas que devia estar a fazer, mas sim a tentar procurar mais acima, descobrir os ensinamentos a retirar. Mas isto só me traz medo para outras situações. Nem tudo é um mar de rosas, nem tudo é pensamentos positivos e boas energias. Há dias maus, há dias em que se questiona tudo e até nós mesmos. 

14
Set19

a minha essência exposta

bii yue

Adoro o universo e como as coisas se encaixam. Sinto-me tão grata por tudo o que tem acontecido ultimamente. O quão transformadora, reveladora e incrível tem sido esta viagem. 

E o que é isto tudo que tenho andado a falar? Qual é a razão desta transformação? Sinceramente, ainda nem eu própria sei bem. Ainda estou a descobrir, a aprender e ver onde me encaixo. 

Aquele vazio que sentia que não conseguia preencher, aquele ciclo vicioso de entrar um ritmo e voltar a cair na procrastinação, a história das semanas de pequenos azares sucedidos, foram estes "insignificantes" acontecimentos que me levaram a agir, a ir à procura de algo mais. Eu tentava manter uma atitude positiva, mas era cansativo mentalmente e fisicamente e isso afetava a maneira como era agia com o mundo e as pessoas ao meu redor. 

Comecei a ouvir os podcasts da Filipa Maia que me fizeram parar e reflectir nas verdades ali expostas, agarrei na coragem e comecei o desafio de journaling de 28 dias. Nesse momento começou esta aventura de transformação. Reconectei-me com uma amiga de infância, a qual o meu coração já andava a gritar para falar com ela, e foi maravilhoso descobrir que ela já estava no caminho que eu queria iniciar. Com ela são aquelas conversas mágicas, de sintonia, partilha de experiências lindas e enriquecedoras. Voltei a fazer outro desafio de journaling da Filipa Maia desta vez 30 dias e logo a seguir participei na Masterclass - "Mudar de dentro para fora".

No meio termo, devorei instagram de pessoas que a minha amiga me tinha recomendado e o meu interesse por astronomia aumentou e tenho aprendido imenso. A maneira como os planetas e fases da lua nos influenciam, as energias ao nosso redor, como podemos usá-las ao nosso favor.

Retomei o prazer da leitura, que tinha posto de lado desde que comecei a universidade, com o livro da Rute Caldeira - "Simplifica a tua vida". Tenho devorado cada capítulo, porque é tanto para assimilar que acabo por apenas conseguir focar-me o que me mais toca. E esse toque têm sido enorme, porque não há como ficar indiferente a palavras que nos tocam no coração, mexem com a nossa alma, nos fazem duvidar e reflectir sobre o que pensamos que somos e como o ser humano age. Tenho outros a aguardar para serem lidos, com mais reflexões, aprendizagens e transformações.

Isto levou-me a estar mais presente da pessoa que sou, mais reconectada com a natureza, mais grata por cada dia, por cada aprendizagem, por as pessoas que tenho ao meu redor e me querem bem. Comecei a sentir a necessidade de estar mais ligada à natureza, o meu espiríto dizia para no dia seguinte acordar cedo e ir dar uma caminhada na praia enquanto ainda estava quase deserta. Esse dia foi transformacional e mágico, aquele caminhada onde era apenas o meu corpo a caminhar em frente, a minha mente vazia a saltitar entre pensamentos que iam surgindo. Foi lindo, re-energizante, re-conectante e sinto-me tão grata por ter descoberto este prazer que me faz tão bem ao corpo e alma

Ontem tive a oportunidade de conhecer e abraçar uma pessoa que emana luz e nos faz sentir arco-íris, a Grace Kelly. Foi lindo e mágico ouvir as palavras dela, sentir a energia que transmitia, sentir uma alegria com os ensinamentos partilhados. Foi a apresentação do livro "Alma Feliz" e ela realizou uma mini aula de yoga (a primeira e é uma pratica que vou começar porque foi revitalizante e a minha alma e corpor estavam a precisar). Parecia uma criança sem jeito a conhecer o seu ídolo, mas com tanta gratidão no coração e felicidade na cara

MVIMG_20190913_194106.jpg

Por isso sinto-me tão grata por esta transformação, pelo que me levou até ela, por estar a descobrir o meu caminho em sintonia com o meu corpo e espírito, por ter encontrado um caminho que preenche aquele vazio que me esgotou. Ainda tenho imenso para aprender, apenas estou a começar, no entanto certezas não me faltam e vou confiar no universo e as energias que ele emana. 

13
Set19

Desafio de escrita dos pássaros #1 - Problemas, só problemas

bii yue

Sabem aquelas semanas onde tudo corre mal e por mais que vocês se forcem a rir das situações e seguir em frente, as coisas continuam a correr mal? Ora bem, isso aconteceu-me ainda antes das férias de verão.

Precisava de realizar um teste importante para a tese, mas o meu orientador por diversas vezes esquecia-se ou aparecia algo mais importante. Andei umas 2 semanas “empatada”. Nesse tempo comecei a experimentar com amostras novas só que os meus dispositivos começaram a deixar de funcionar. Mas só me apercebi ao 2º dia de ir analisar que é quando obtenho resultados. Perdi alguns dias porque esta "morte" foi por escadinha até ficarem reduzidos a meia dúzia, os sobreviventes, que foram tratados como salvadores até conseguir ter os dados todos. Foi imensa frustração, porque pensava que estava a avançar e só fim reparava que tinha perdido 2 dias de trabalho ou horas e tinha de recomeçar tudo de novo e fazer figas para que os dispositivos tivessem de bom humor e em sintonia comigo

Quando finalmente o meu orientador teve tempo para mim e ajudar-me com o teste, pensava que ainda tinha mais uma semana em Junho, mas afinal na semana seguinte já era Julho e eu ia ter a semana ocupada com apresentações do voluntariado. Mais uma vez a data foi adiada e o meu coração fraquinho por não saber que rumo a minha tese iria tomar. 

Antes desta semana, tinha decido ir dar um dia a mim mesma e vou para pegar no carro e fica sem bateria. Vivendo numa aldeia e já eram depois das 9h era difícil arranjar ajuda. Tive que ir a pé até uma oficina pedir ajuda para me virem ajudar e acabei por perder a manhã com esta situação. Durante os dias anteriores estava a fazer um esforço enorme para me manter positiva, porque eram apenas pequenos contratempos e só tinha que rir deles. Mas já eram alguns azares e não sabia como dar a volta por cima, como contornar as energias negativas acumuladas à minha volta....

Entretanto as coisas começaram a melhorar e felizmente nunca foi nada de grave, eram só aqueles azares irritantes que acabaram por passar

A parte boa desta história é que foram estes acontecimentos que me levaram a tomar decisões provocar estas pequenas mudanças em mim e ao meu redor. 

07
Set19

quarto de século

bii yue

Ontem completei um quarto de século. Este post talvez devesse ter vindo ontem, mas hoje também ainda é dia.

Pela primeira vez na minha vida não passei o dia nesta "prisão", mas sim na minha casa. Rodeada do que mais gosto, com a liberdade ao meu dispor. Foi um aniversário completamente diferente. Habituei-me a tê-lo para me fazer companhia durante o dia, mas apenas o tive durante o acordar e jantar. Senti imensa falta, especialmente quando finalmente o dia começou a abrandar... Aprendi a ter que me agarrar aos momentos criados e leva-los comigo no coração para estas horas. 

Não houve nada melhor para aproveitar a liberdade que sempre quis ter, especialmente, neste dia do que ir dar uma volta à praia. Tal como da outra vez, foi reanergizante, completamente em paz comigo mesma e a saborear cada sensação. É indescritível, apenas tenho a certeza que é aquilo que preciso para me desconectar e conectar.

Ser saudável e ir almoçar com os meus amigos ao saladasmais em Aveiro, que recomendo pela qualidade e preço completamente balanceado. Sempre morei lá perto, mas foi preciso ter saído do centro para finalmente ter acontecido lá ir e ficar rendida pela comida e ambiente (que já conhecia). Hoje foi uma espécie de pequeno-almoço, brunch, almoço, com as amigas num espaço recente em Viseu, chamado raiz. Para quem é das cidades pequenas, é tão bom ter um espaço tão acolhedor e com tanta opção de comida que só se vê pelas fotos do instagram. 

Será que é desta, que embarco na aventura de me tornar uma pessoa com uma alimentação mais cuidada e saudável? Quero acreditar que sim, porque não poderia ter escolhido melhor(es) dia(s) para experimentar novos sítios.

IMG_20190829_110525_917.jpgNão foi só mais um aniversário igual a tantos outros, foram sentimentos e emoções distantes das habituais. Foi a alegria da liberdade, de quebrar o usual durante anos. A gratidão pelo lugar onde me encontro, das pessoas que levo comigo, da viagem transformacional que esta a ser. O conforto de estar na minha pele e criar novas rotinas e mindsets. O amor criado.

02
Set19

Setembro

bii yue

Olá Setembro, 

és o mês do meu aniversário, de novos recomeços para todos os estudantes (no meu caso é o desfecho),  novas oportunidades. Não sei bem o que esperar de ti, apesar de ter noção do que realmente esperar. Vai ser um desafio, com novas jornadas, com muito sentimento a começar a fluir.

energias renovadas, com a nova super lua que esta a passou. É tempo de aproveitar, agradecer e seguir em frente. Com esta mudança e ciclo do universo, e visto estar mais consciente e a tentar aprofundar no tema de astrologia, deixe-me ir pelo que o meu espírito queria, o que me fazia sentir bem, feliz, realizada, em sintonia comigo mesma. Fiz algo que já se andava a formar na minha mente há uns dias e que já queria há bastante tempo, mas sempre tive um pouco de receio por ser fora da minha zona de conforto e ir sozinha. Acabou por ser tão libertador, estar em contacto com a natureza, completamente sozinha e rodeada pelo som dos pássaros e mar. As fotos não ficaram bem como queria, mas sou uma perfeccionista e foi a primeira vez por isso é sempre complicado acertar nos ângulos. Numa das últimas manhãs acordei com a necessidade de sair de casa, ir passear, estar sozinha comigo mesma. Acabou por ser mais de 1h de caminhada na praia, num daqueles dias de manhã encobertas, temperatura amena com o mar calmo e a água à temperatura ideal. Foi completamente revigorante, das melhores sensações de leveza e paz interior. Em sintonia com a natureza, as ondas a rebentarem calmamente, a água salgada a molhar a pele, a maré a começar a encher criando aquela piscina natural em que se consegue entrar pela água adentro, os pés a serem enterrados na areia molhada. O olhar no horizonte e na areia, a mente a vaguear entre o nada e os pensamentos triviais.

Agosto, acabou por ser um mês transformador, com uma viagem a uma velocidade alucinante. Constante aprendizagem, completamente absorvida no que leio e com a consciencialização sobre mim mesma e o meu redor, acabo por não conseguir prestar atenção a todos os pensamentos e emoções, só aos que se destacam. É como se fosse um fogo de artifício constante e o nosso corpo e mente foca-se no mais bonito e arrebatador. 

Sobre mim

foto do autor

Parceria/Colaboração

contacto: helenabeatriz12@sapo.pt

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Inspiração


Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me