Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

because your smile make me live ♥

forceful, trust, connected & discovering the wonders of the universe ✨

because your smile make me live ♥

forceful, trust, connected & discovering the wonders of the universe ✨

27
Mar20

quando começa a custar todas as tuas forças e sanidade mental

escrito por bii yue

São 7:30, o despertador toca, abro os olhos e o sol entra põe entre as cortinas. Apenas sinto a necessidade de acordar cedo para aproveitar a manhã, o silêncio e sossego, mesmo com a cidade silenciosa. Talvez seja por causa da rotina que tinha contigo, acordar cedo e aproveitar o nascer do sol. Ou a sensação de conforto do sol entrar e abraçar o quarto, porque acontecia o mesmo nos quartos nas casas partilhadas ao longo dos anos de universidade. 
É uma nova manhã, passou mais uma noite a lutar contra a ansiedade, mais um dia longe da sociedade. As saudades são imensas e fazem o coração ficar cada vez mais pequeno, daí tanta mudança de humor. A incerteza está de mãos dadas com a frustração.

Muitos insights, em diferentes momentos do dia. Tudo vai correr bem, é aguentar, "aproveitar o tempo livre" para depois voltar à rotina, aos poucos, e viver o resto da aventura. Aquela sensação de começa a gastar as coisas, vai com tudo sem medos, porque em breve vais ter que fazer novamente as malas e vai ser uma dor de cabeça levar tudo de volta à Portugal. Nestas alturas vem uma raiva, porque para isso já podia ter voltado mas a empresa mandou-nos ficar com esperanças vagas. E agora conseguir arranjar viagem de volta é com preços de gastar mais do que tenho. É desesperante, frustrante, preocupante e deixa a ansiedade sempre pronta a fazer uma festa (como ontem à noite, que fiquei a querer bater no fundo).

Estamos todos no mesmo barco, o sentimentos é geral para todos nós. Temos os dias bons que passam, mas também temos os dias maus onde só apetece bater com a cabeça na parede. Faz-se planos das primeiras coisas que se vai fazer assim que for possível voltar sair à rua sem restrições, as cidades que ainda se quer visitar. Fala-se da possibilidade de sermos mandados embora e como nos sentimos em realação à isso, a injustiça, a má gestão mas a emrpesa também se agarrou à esperança cega que isto iria passar rápido. Estou sozinha, neste quarto já há 10 dias, mas não estou sozinha. Existem as videochamadas, as chamadas, as mensagens. 

O que me resta é o conforto de ouvir a tua voz, quando tudo começa a desmonerar, e calma que isso me dá.

És o meu porto-seguro, que me faz lembrar de colocar os pés na terra, ter esperança e confiar.

26
Mar20

Não é fácil, nunca o é

escrito por bii yue

Sinto-me a ser puxada para os tempos em que estavas de Erasmus. Mas é tudo diferente, o quarto, o país, a maturidade, os papéis. Aprendi imenso e isso poderia trazer algum conforto para o agora, mas não é isso que acontece. Porque os sentimentos e emoções estão presentes, são mais profundos porque viveu-se tanto mais. A diferença foi que cresci, cresceste, crescemos. A nossa visão do mundo mudou e aprendemos a aceitar a realidade ... mas não é fácil, nunca o é.
Durante o dia estou bem, mas assim que a noite se põe tudo fica escuro. O meu humor muda como o dia para a noite, tudo vem ao de cima, aquele aperto no peito não se desfaz, a respiração fica mais curta e não é profunda. 
Estou sozinha, num quarto onde não existem vestígios teus, mas tenho os que guardo na memória, os que trago no meu corpo. O quão quero voltar a sentir-me protegida nos teus braços, a tua pele na minha, a tua respiração junto a mim. Os pequenos gestos de carinho, os toques, sentir-te, ver-te e ouvir-te à minha frente!
Os dias vão passando, mas prolongam-se por entre tentativas de estar ocupada e não pensar na falta que me fazes. Na saudade e dor de ter deixado o que construímos para trás, na esperança de termos um futuro melhor, de tornar-me numa adulta e descobrir do que realmente sou feita, de ser melhor para mim e para ti. Nenhum de nós esperava que isto viesse acontecer e agora vemo-nos confrontados com o incerto, sem uma data para estarmos novamente juntos. É mais saudade e angústia. Porque agora só resta esperar, agarrados à esperança que tude melhore e que o tempo não venha a ser assim tanto...

Quero-te, quero-te tanto ao meu lado novamente.

Quero, quero tanto voltar à rotina no conforto da nossa casa. 

Quero, quero tanto o nosso tempo.

Quero, quero tanto a nossa familia reunida.

24
Mar20

cuida de ti!

escrito por bii yue

Enraizar, conectar profundamente, têm sido as palavras de ordem desde o primeiro dia que fiquei em casa. No entanto, só no domingo é que senti que estava enraizada e conectada, mas também foi quando vieram todas as emoções ao de cima, colocadas a um canto dada toda a situação.

As saudades pesam e tudo em mim grita para voltar para Portugal, porque ao menos tenho o conforto que me falta aqui. Evito pensar que este fim-de-semana ele podia cá estar, ou que nesta quarentena ia voltar a ter aquele mês de dezembro em casa que me soube tão bem. A Bélgica também tem a sua ironia, porque têm estado dias constantes de sol e dias perfeitos para ser turista. Notícias, só sei pelo que me dizem porque decidi desligar para não me sentir a ser puxada para aquele ciclo de ansiedade e sentimentos que me vão levar ao desespero de estar longe de casa. 

A minha rotina tem sido muito centrada em ioga e meditação, enraizar-me e ir mais a fundo neste processo de desenvolvimento pessoal e conectar-me com o verdadeiro eu, dar prazer a mim própria e não podia faltar o netflix & chill. Estou em teletrabalho, mas agora o que não falta é tempo. O que pode ser traiçoeiro, porque a vontade de ficar a fazer absolutamente nada é enorme, mas depois contando os dias que faltam e os que já passaram, é preciso ter algum sentimento de propósito

Não diria que estou bem, o medo e a incerteza estão de mãos dadas, as saudades fazem um nó no coração. Há dias que passam melhores que outros, pelo meio há bastantes mudanças de humor. Uma semana já passou e agora é que vai custar verdadeiramente a passar. Sinto falta da liberdade, de saber que a qualquer momento se podia viajar livremente pelo mundo (porque agora não sabemos quando vamos voltar a estar nos braços um do outro). Ironia do universo, quando acabo por ter toda a liberdade e estar a começar a aproveitá-la, é tirada e volto a estar sozinha, desta vez verdadeiramente no seu significado. Felizmente, já não sou mais aquela pessoa que não era capaz de aguentar a solidão, mas não é por isso que não deixa mais alguma ferida e teima em ir abrir outras que se estavam a curar.

Um dia de cada vez, a cuidar de mim, a tentar estar o mais sã possível, não cair nas presas do despero. Aproveitar o tempo para o que me mantém ocupada e em contacto com universo.

23
Mar20

Jornada de Amor Próprio - 5 dias de sensações

escrito por bii yue

Estou nesta jornada de transformação com todo o meu coração. 

Amor próprio é uma tema bastante falado nos dias de hoje em dia, mas há uma tendência de pôr demasiada pressão num tema e consequentemente em nós próprios. Não é algo que apareça de um momento para o outro, é um trabalho continuo e sem um fim. Porque há cada dia que passa estamos a reescrevermos-nos, a aprender, a viver. 

São afirmações, visualizações, contemplações. Capacidade de abertura para nós deixarmos sentir (tanto o bom, como o mau). Mudar o pensamento e a conversa connosco mesmo. Consciencialização que há passos em frente, passos atrás para se conseguir dar novamente passos em frente. Estarmos dispostos a implementar novos hábitos, mudar outros e "banir" outros tantos. Aprender a dar atenção ao nosso corpo e mente, saber ouvir e interiorizar as aprendizagens que vão sendo aprendidas.

O nosso corpo diz-nos muita coisa, mas nem sempre estamos dispostos a ouvir ou aceitar.

Tenho aprendido bastante, por isso trago-vos um pequeno desafio de 5 dias. 

♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡

Dia 1 - o olhar no espelho

O simples gesto de olharmos-nos ao espelho. Mas não aquele olhar rápido para ver se esta tudo no sítio e estamos em condições de sair à rua. Um olhar introspetivo, com consciência, com presença. Olhar para o corpo e apreciar o que menos gostamos, abraçar o que gostamos. Olhar não só para o nosso exterior, mas também para o nosso interior. Ver para além do corpo físico, ver também o nosso interior. Trabalhar em afirmações, enquanto olhamos para o nosso reflexo.

sentir )

Dia 2 - carta de amor a nós próprios

Durante o dia temos mil e um pensamentos, tanto positivos como negativos. No entanto, a nossa mente tem tendência a agarrar-se ao negativo, em vez de se focar no positivo. O nosso consciente e inconsciente têm um grande poder e a maneira como deixamos esses pensamentos afetar-nos é importante. É daí que que vêm muitas crenças limitadoras, que acabamos por tomar por verdadeiras.

O exercício de hoje é escrever uma carta de amor a nós próprios. Sobre o que gostamos em nós mesmos, as nossas qualidades, os nossos pontos fortes, pelo que estamos gratos, o quão incrível somos. No fim lê em voz alta a ti mesmo, sente esse poder.

 

ouvir )

Dia 3 - um cheiro que te faça sentir bem (óleo essencial, vela, perfume, incenso)

Quando sentimos um cheiro agradável que nos faz sentir bem, o nosso cérebro leva-nos a essa memória, que nos enche de alegria e conforto. É uma associação poderosa. Enquanto estamos envolvidos nesse cheiro, o objetivo é reler a carta de amor que se escreveu. Deste modo o nosso cérebro irá criar uma associação. Numa altura em que nos sintamos mais em baixo, ao cheirar esse cheiro escolhido, o nosso cérebro que criou uma ligação, irá levar-nos a carta.

cheirar )

Dia 4 - meditação ativa com movimento

Existem dois tipos de toque. O sexual que a sociedade evita falar em que o objetivo final é prazer sexual, para além de todo o toque no processo. Que já por si é um ato de amor próprio, apreciação e ativar pontos chaves que nos deixem excitadas (os). O toque "de vaidade" quando se esta constantemente a tocar no corpo por apreciação. A sociedade tenta reprimir estes comportamentos, mas o corpo é nosso e demais ninguém! O toque no nosso corpo é amor próprio pela apreciação, valorização, consciência e conhecimento de cada canto deste corpo físico. 

Este exercício é uma meditação, mas é ativa e com movimento. Coloca uma música ambiente, senta-te numa posição confortável. Fecha os olhos e respira profundamente pela boca 3x. Sente o ambiente ao teu redor, entra na sintonia da música de fundo. Coloca as mãos sobre as pernas. Começa por sentir onde estas sentada(o), se é diretamente no chão num tapete de ioga, um tapete, em cima da cama e tens um edredon, numa cadeira ou sofá e tens o tecido de que é feito. Sente essa sensação nas tuas coxas, pernas e pés. Sente também a fibras da roupa na tua pele, que sensação te traz, como te sentes. Gentilmente com as tuas mãos vais subir pelas pernas, sentindo esse toque no teu corpo. Na barriga e para por uns momentos para sentires essa energia. Vai subindo gentilmente e ao teu ritmo pelos braços, ombros. Pelo peito dando e sentindo o teu amor próprio. Na tua cara, nos teus cabelos. Quando sentires-te satisfeita(o), roda gentilmente os ombros para a frente e para trás, e a seguir a cabeça. Mexe a parte superior do teu corpo ao ritmo da música, deixa-te fluir. Quando te sentires satisfeita(o) e preparada(o), para e assimila o que sentiste até agora neste momento presente. Respira profundamente e abre os olhos gentilmente.

toque )

Dia 5 - comer atentamente

Há muitas emoções associada a comida. Temos uma tendência para exagerar a comer ou nem sequer comer e pomos de lado o verdadeiro propósito que a comida têm. Para nutrir o nosso corpo. 

O exercício é comer que gostamos, o que nos deixa a sentir tão bem. O objetivo é comer com atenção, consciência e gratidão, em vez de vergonha ou arrependimento que acaba por afetar a nossa energia. Agarra na tua "treat" e coloca na tua mão esquerda. Observa, que cores tem, é suave ou áspero, que cheiro tem, é quente ou frio, o quanto pesa, faz a tua barriga rugir por antecipação. Pratica a gratidão por todo o caminho que percorreu até este momento, quem preparou, as origens. Agradece por todos essas etapas, pelos nutrientes que provêm do que irás comer, ao universo. Coloca na boca e antes de mastigares e aprecia o sabor, a que sabe. Fecha os olhos, aprecia e aproveita essa experiência.

saborear )

♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡⋆♡

E tu? Vais embarcar neste 5 dias de sensações?

20
Mar20

Desafio de escrita dos pássaros - Foi tão bom, não foi

escrito por bii yue

Ele abriu-lhe a porta, sendo cavalheiro, e entraram no restaurante japonês. Sentaram-se numa mesa que lhes foi indicada e pegam nos menus. Subtilmente ele coloca o telemóvel em cima da mesa e a ânsia dentro dela começa a crescer. A excitação e adrenalina começam a percorrer-lhe o corpo. Baixa o menu e olha para o que ele estava a fazer no telemóvel, mas estava simplesmente a responder a uma mensagem.

Após fazerem o pedido, ele pega-lhe na mão e um arrepio percorre-lhe o corpo, só a sensação de pele com pele com todo aquele pensamento de quando é que ele ia começar já a estava a deixar molhada. Decidem brindar e no momento que ela estava a dar o primeiro trago, sente uma vibração no clitóris que a faz escapar um gemido e uma tentativa de não entornar a bebida. Ela olha-o nos olhos e ele estava sereno, mas com aqueles olhos vibrantes de desejo. A vibração vai aumentando gradualmente até ao nível máximo que a fazia vir-se em questão de minutos. Ela crava as unhas no sofá onde estava sentada, morde o lábio e olha-o nos olhos implorando para parar porque não ia conseguir aguentar os gemidos dentro de si.

O pedido deles chega e ele para a vibração e ela respira fundo de prazer e alívio. Com toda a excitação que sentia no corpo e o pulsar constante do seu clitóris, ela despacha-se a comer e decide que não podia ser só ela a desfrutar. Descalça um dos saltos, levanta ligeiramente a toalha para ter mais espaço e coloca no meio das pernas dele e qual é o seu espanto quando o sente duro. Ele tenta alcançar o telemóvel, mas ela tinha pegado nele primeiro. Em 5 minutos, ele pede a conta, pega-lhe na mão e vão entre beijos sôfregos e toques mordazes até uma ruela vazia

Ela é encostada à parede e entre beijos, desapertar e puxar de roupa, sente a vibração e a ser preenchida. Deixa o peso do seu corpo cair sobre ele por uns minutos, até recuperar novamente o controlo do seu corpo e de toda a sensação de êxtase. Tira-lhe o telemóvel e passa a ser ela a controlar a vibração. Olhares cruzam-se por entre sorrisos sinceros de prazer.

O que para eles pareceu uns minutos, foi uma meia hora de excitação de toques entre corpos e gemidos de desejo.

17
Mar20

Perspectivas, quarentena e dois países

escrito por bii yue

Estou divida entre dois países, a viver duas realidades. Estou preocupada e não vou negar que tenho medo e sinto-me bastante insegura, especialmente quando tenho que andar de transportes públicos, quando estão cheios, mas não é só por mim mas também por quem tenho em Portugal. A distância já era difícil, mas agora com esta situação de pandemia faz com que se torne ainda mais pesada

Na quinta-feira passada começou-se a sentir a tensão no ar, nos transportes as pessoas começavam a olhar de lado e com desconfiança, no trabalho esperava-se por haver desenvolvimentos visto que o governo belga estava a discutir que medidas iria tomar. Eu sentia-me com medo, desesperada, impotente mas numa tentativa desesperada de manter um pouco de positivismo e esperança. Na sexta-feira acordei e a cidade estava serena, ao contrário da tensão no trabalho com todos à espera do mesmo, uma conferência de imprensa onde se iria decidir que medidas tomar. Isto porque, o governo tinha decretado uma "quarentena" sem usar esse nome, restaurantes, bares e cafés fechados a partir da meia noite até 3 de Abril, apenas farmácias, supermercados e lojas de comida se mantêm abertas e algumas lojas de comércio de proporções maiores. A decisão chegou e a maioria dos trabalhadores vai ficar em teletrabalho, só ira a empresa quem tem que ir para o laboratório e supervisores mas com horários estruturados porque é necessário estar alguém presente. No meu caso, vou trabalhar até meio da semana e depois será de casa. Quando ouvi esta decisão comecei a entrar no ciclo de ansiedade crescente. O que vou fazer mais de 2 semanas fechada numa casa onde não me sinto confortável, onde não tenho o meu gato ou o meu namorado para me consolar, onde a minha família e amigos estão longe... Foi uma péssima altura para ter embarcado nesta aventura de ter largado tudo e ir experimentar uma vida numa país diferente. Mas não sou só eu, todas as outras pessoas de outros países, estamos todos no mesmo barco... 

Foi uma luta entre a ansiedade e a ficar calma e que vou conseguir aguentar, é só mais uma prova. Era suposto ele vir cá no próximo fim-de-semana, daí haver muito mais revolta, tristeza e um abalo enorme a minha positividade e esperança. Preciso tanto de sentir aquele abraço de segurança e neste momento não sei quando irei conseguir tê-lo. A ansiedade só foi crescendo com o terminar do dia, a minha energia estava completamente esgotada e abalada por todas as vibrações e tensões no ar, por todas as notícias e desenvolvimentos crescentes das ultimas horas. Na sexta à noite quando estava a ir para casa, fiquei abismada com a irresponsabilidade das pessoas de estarem todos nos bares para aproveitar porque iam fechar a meia noite (não é só em Portugal!). A minha colega de casa foi uma delas e imaginem a minha cara no sábado quando descubro e só penso "Onde é que ela andou a tocar? Mas ela não tem um pouco de noção, especialmente sendo italiana e saber da situação do seu país?" Por isso agora até dentro da minha própria casa tenho medo e me sinto insegura, o que torna as coisas ainda menos confortáveis e mais difícil de gerir à nivel psicológico. Toda a vez que saio do quarto lá vou eu com o meu desinfetante natural limpar todas as superfícies (uma vez mais!).

Como referi aqui foi quase tudo encerrado, mas o governo vai dar apoios! Em Portugal foi usada a palavra quarentena, mas nada foi fechado a nível de restauração, quem está a fechar é por conta própria e risco. Coloca-se uma questão importante, este mês era para pagar as contribuições e o que o governo fez foi adiar para setembro, mas e toda a quebra que se irá fazer sentir? Todo o dinheiro que não se ganha porque as pessoas estão em quarentena em casa (pelo menos as que cumprem e as que foram mandadas em teletrabalho), porque o governo não vai também apoiar? Porque não lhe convém!, porque mais uma vez esquecem-se das pequenas empresas (os meus pais que tem um café e vivemos daquilo, como serão estes meses? Não sei e com isso traz ainda mais medo e receio). Nas médias e grandes empresas não há um controlo específico, e sei que algumas mandam pessoas ao acaso sem analisarem caso a caso (sendo que muitas pessoas vão em férias, porque português é português) porque essas sim recebem uma ajuda do governo. Onde esta a justiça e igualdade?

Na semana passada tive a intuição de que devia ir às compras na quinta-feira e até acabei por ir a dois sítios. Na sexta instalou-se o caos, exatamente como Portugal (prateleiras vazias, água, leite, sabonete, álcool, desinfetante e papel higiénico inexistentes). Ontem fui às compras, para aproveitar já que estava nos transportes, ir ao lidl (que me fica mais longe de casa e onde as coisas são relativamente mais baratas (fica a dica)) e continuava esse panorama! Hoje vou tentar ir a outro sítio, porque eu não comprei para ter em stock mas sim à medida que vou precisando. Mais uma vez como toda a pessoa sensata deveria fazer...

Ficar em casa ninguém gosta quando é obrigado, e felizmente esta haver uma corrente enorme de suporte e ninguém esta sozinho (independentemente do país), porque estamos todos no mesmo barco. É uma chapada e despertar para a humanidade, somos todos feitos da mesma matéria e ninguém esta imune. Já houve mais pandemias no passado, a humanidade sofreu muitas perdas mas continuou até ao que conhecemos hoje. Cada um de nós tem que dar o seu melhor para se manter saudável e contrariar esta enxurrada de más vibrações, sentimentos e emoções, e zelar pela sua segurança e a dos outros, e estarmos agradecidos por continuarmos vivos e principalmente por termos pessoas a "lutar diretamente" com o vírus.

E para finalizar, mesmo depois da quarentena acabar é preciso ter em mente que o vírus irá continuar presente, irão continuar haver pessoas que não foram infetadas porque estiveram em quarentena e podem vir a ser. Ou seja, não é para voltar a vida normal e esquecer todas as medidas de prevenção!!! A quarentena é para prevenir contágios e por consequente prevenir o que esta a acontecer na Itália e Espanha. Irá haver sempre alguém que ainda não foi infetado e a partir daí iremos voltar à mesma bola de neve. Uma pessoa não vai deixar de voltar à sua vida normal, mas convém continuar a tentar evitar multidões e espaços apertados, lavar e desinfetar as mãos, evitar tocar na cara... Temos que ser conscientes e responsáveis! Há inúmeras previsões neste momento, se serão ou não verdade, iremos ver com o tempo, mas se quisermos que a pandemia "se extinga" é preciso ter isto em mente. 

Muitos de nós tinhamos viagens marcadas, falo por mim, que tiveram que ser adiadas por um "tempo indeterminado". E só queremos que esta situação se resolva para voltarmos a sentir-nos vivos.

Não esta a ser fácil neste momento para mim, sei que irá piorar assim que começar a minha "quarentena". É novamente aquela guerra entre titans, o meu positivismo e esperança de que irá passar e é só mais umas semanas até voltar a estar com ele e depois mais umas quantas até voltar para Portugal, contra a sensação de sufoco e insegurança que quer acabar num ataque de pânico. Óbvio que gostava de arrumar toda a minha tralha e correr para Portugal, mas não é possível e só restam as chamadas, as mensagens numa tentativa de aconchegar a minha pessoa. 

13
Mar20

Desafio de escrita dos pássaros #2.7 - Um brilho boho

escrito por bii yue

"Já alguma vez pensaste como vai ser quando já não estiveres neste mundo físico? De que modo é que as pessoas te irão celebrar? Como será a tua memória para elas?"

"Não, mas imagino que seja algo lindo e com um profundo, porque sei que irei deixar a minha presença seja por ter sido uma mudança de pensamento ou cura, em que precisa."

...

As cores no horizonte começavam a mudar para os tons laranja e rosa, as típicas de verão. A maré começava a baixar e a praia a encher-se de sombras por causa da falésia. O vestido laranja comprido esvoaçava a cada passo dado até chegar à beira-mar. O seu cabelo ruivo com reflexos vermelhos, estava com algumas trancinhas e alguns apliques de penas tribais. Senta-se na areia molhada a saborear a sensação que lhe provocava no corpo.

O pôr-do-sol sempre seria um momento mágico, não importava quantas vezes o vi-se porque havia sempre diferenças. Era ainda mais especial por estar de volta ao local onde começou a despertar e começou a sentir a magia do universo a fluir na sua vida. Desde desse momento que cresceu, viveu, mudou, desapegou, chorou, riu, investiu imenso em si própria, encontrou o seu caminho e foi mudando a vida das pessoas que lhe apareciam à frente fosse através de umas simples palavras ou através das técnicas que tinha aprendido durante o seu percurso pelo mundo holístico. 

Quando ela começava a refletir sobre a sua vida, as lágrimas caiam pela gratidão que sentia. Por tudo o que foi aprendido através dos bons e maus dias, pelas pessoas que mudaram à sua vida e à sua visão de si mesma e do mundo, pelas que conseguiu ajudar a encontrar à sua própria cura. Pela criança e adolescente que foi, tão ignorada e não compreendida, pelos anos bastante confusos de não saber se estava realmente a viver, pela mulher que se começou a tornar. Pelos diferentes percursos que percorreu, por ter encontrado o seu caminho que apesar de ser controverso e nem sempre bem visto pelas pessoas onde perdeu coisas pelo meio, também ganhou coisas ainda mais especiais com o passar do tempo. 

Ela era finalmente livre, dona de si mesma, carismática e envolvida num brilho radiante. Estava no caminho que lhe tinha sido destinado e estava verdadeiramente feliz por ter descoberto quem era

Aventura de uma vida ♥

Pág. 1/2

Sobre mim

foto do autor

Parceria/Colaboração

contacto: helenabeatriz12@sapo.pt

Instagram

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Inspiração


Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me