Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

because your smile make me live ♥

forceful, trust, connected & discovering the wonders of the universe ✨

because your smile make me live ♥

forceful, trust, connected & discovering the wonders of the universe ✨

10
Nov19

se estou bem? não

escrito por bii yue

Estagnei no tempo.

Deixo os dias passar, a saborear o momento. Deixar o meu corpo e alma envolverem-se na gratidão da vida que tenho neste momento. De ter o que sempre quis.

Com um pé pronto a dar o passo para o desconhecido, enquanto o resto do corpo esta confortável no conhecido.

Não estou preparada, tem sido devagar para assimilar mas o tempo voa e as respostas tardam. Muitos acontecimentos que acabam por não me deixar, a própria mente criou um sistema que me impede de pensar demasiado.

Mas tem sido uma guerra interna. Uma espera que aniquila a minha mente e corpo. Meia perdida da rotina. Desligada do mundo, com a necessidade de estar comigo própria. Para digerir as emoções e sentimentos, resolver conflitos internos que têm vindo ao de cima, realizações da realidade e a forma brusca que isso me têm afetado. 

É verdade que guardo muito para mim, é assim a personalidade, o meu coração mole põe um sorriso na minha cara e fica lá para quem precisar. Quando isso não acontece e tenho a necessidade de recarregar, surge uma transparência que é mal interpretada. Egoísmo, ego, isolamento?! Dedos apontados, julgamentos que surgem tão facilmente, mas onde reside a vontade de perguntar as razões, os porquês.

Tento aguentar muito por mim própria, mas sei os meus limites, como funcionam estas fases mais negras. Há trabalhos que mais ninguém pode fazer por nós próprios. A lidar comigo própria a um nível mais profundo. Estou a aprender a ouvir a minha intuição, a lidar com mudança do meu mindset e a ajustar-me, a tomar consciência da vastidão e longo caminho que ainda tenho à minha frente. Ferramentas que se vão aprendendo, peças de um puzzle que se vão encaixando, momentos que são necessários. Esta introspeção ainda é um terreno pouco apalpado por mim, há mudança, há consciencialização, uma tendência para nos desligarmos da realidade (especialmente eu que necessito que me chamem à terra de tempos à tempos).  

E isto sem contar com os desafios que se avizinham. Daí esta necessidade de me centralizar, de me ouvir, de me deixar estar, de parar e assimilar toda as ferramentas e aprendizagens dadas. Preciso disto, no campo do corpo, da mente, do espiritual.

Porque não é só dias bons. Não é só estar presente e acabarmos a negligenciarmo-nos. Não é um mar de rosas. Não é termos a mania de estar sempre a puxar pelo nosso limite quando existe a necessidade de parar. E eu paro, mesmo que me ponha neste estado de estagnação, mas é aí que encontro as minha respostas

Cada um têm os seus demónios. Há dias esgotantes, onde falta energia para tudo.

●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○●○

Acompanha-me pelo instagram, é por lá que passo grande parte do meu tempo.

18
Set19

nem sempre é só a boa energia

escrito por bii yue

Eu juro que estou super feliz com esta transformação e grata por todos os pequenos encaixes. Acredito que as coisas acontecem por uma razão. As coisas vão-se conseguindo e resolvendo. 

Não esperava por esta enorme chapada, que me faz questionar nestas crenças. Especialmente por ser algo desejado por tanto tempo e que iria trazer uma enorme realização pessoal. Torna-se ainda mais frustrante por ser algo facilmente contornável mas não esta de todo nas minhas mãos, aliás só traz mais falta no campo da saúde em portugal.

É só um desabafo de uma pessoa que esta aos poucos a mudar os hábitos e pensamentos e leva com uma enorme nega em algo que ia ser tão honrável e o seu coração queria tanto. Só me vêm a cabeça o porquê? O que fiz para não poder concretizar um objectivo? 

Sei que não são essas as perguntas que devia estar a fazer, mas sim a tentar procurar mais acima, descobrir os ensinamentos a retirar. Mas isto só me traz medo para outras situações. Nem tudo é um mar de rosas, nem tudo é pensamentos positivos e boas energias. Há dias maus, há dias em que se questiona tudo e até nós mesmos. 

19
Mar19

Qual a minha ambição?

escrito por bii yue

Puseram-me esta questão qual era a minha ambição de quando era mais nova. A verdade é que eu nunca pensei ou sequer conseguia imaginar o meu futuro quando fosse crescida, como o sou agora. Apenas tinha em mente que iria fazer tudo para sair de casa assim que tivesse oportunidade! A maior parte da minha adolescência foi agarrada a essa "ambição", só queria que esse momento chegasse e não conseguia imaginar um depois.

Devido a toda a história, essa era a minha ambição (se assim se pode chamar), porque também nunca fui daquelas pessoas que me imaginava já como adulta, ou sonhava com o casamento e coisas desse género. Serei a única? Se calhar não, mas senti-me como uma pessoa que não tinha ambições que valessem a pena. Afinal vivia para quê? Para que futuro? Quais eram as minhas ambições de vida? 

Neste momento da minha vida, gostava de dizer que tenho ambições e se calhar até tenho, mas levo a vida mais por objectivos. Tenho objectivos finais (a chamada ambição?!) , sei que carreira quero seguir, o que fazer para me fazer sentir que estou a viver a vida e não a desperdiçá-la. Sinto que a palavra ambição é demasiado grande para a minha pessoa, porque habituei-me a definir objectivos e viver mais no presente e não a ficar ansiosa pelo futuro

Se sou uma pessoa ambiciosa? Um pouco, gosto de me surpreender a mim própria, gosto de lutar pelos meus objectivos e sentir aquela realização no final. Qual é a minha ambição? Vai ser o clichê de ser feliz e puder chegar a conclusão que apesar dos obstáculos, consegui viver e ter momentos que ficaram gravados na memória (que me fizeram sorrir, que me fizeram sentir liberdade e independência, que me derretem o coração) e me ajudaram a ser a pessoa adulta que sou hoje e irei continuar a ser...

02
Mar19

Negligência médica na saúde feminina

escrito por bii yue

Saúde feminina, é um tema que finalmente as mulheres estão a ter coragem para falar e partilhar experiências. No entanto, têm sido a geração mais nova de mulheres e isso faz com que ainda haja muitos profissionais que não levem a sério os problemas e acabe por haver bastante negligência e desprezo pela saúde feminina.

Estou especialmente a falar da pílula contraceptivo e os sintomas associados que supostamente são normais, mas não o são! É óbvio que há efeitos secundários associados a todos os medicamentos, mas não me venham dizer que é normal uma pessoa ter enxaquecas que duram dias e que impedem certas vezes o trabalho regular, que é normal uma pessoa ter cólicas que tenha que se encolher, que é normal haver uma tpm tão acentuado que transforme a pessoa no que ela não é, que é normal uma mulher conformar-se e ter que se calar porque o médico é que têm razão, ... NÃO, NÃO É NORMAL OU SEQUER ACEITÁVEL! Isto interfere com a vida da pessoa, causa marcas psicológicas porque afinal o problema somos nós e não a pílula. Esta totalmente errado, porque esta demonstrado que as pílulas de 1º geração eram as melhores e raramente causavam efeitos secundários. Com a evolução da medicina, foram surgindo novas gerações de pílulas e os seu genéricos, mas com isso também trouxe efeitos secundários que é suposto uma mulher aceitar quando causa mau-estar. Não é suposto uma mulher viver reprimida, ser acusada que são só as hormonas e não tarda passa, quando a cada mês que passa só agrava. 

Felizmente é um tema a ser cada vez mais falado, porque muitas e muitas mulheres sofrem com os efeitos secundários da pílula e a enorme influência que tem na pessoa e no dia-a-dia. Há cada vez mais experiências similares e começa a haver uma sensibilização para a saúde feminina. No entanto, os profissionais de saúde do sexo feminino e masculino não estão a acompanhar essa mudança e há inúmeros casos de negligência, sendo o meu um deles. 

 

Já tomo a pílula deste os meus 12-13 anos, comecei com a Diane 35 para tratar de vários problemas e dava-me bastante bem com essa. Passados uns 6 anos, numa consulta a minha médica de família, que continua a ser a actual, decidiu mudar-me e a partir daí começou o ciclo vicioso dos efeitos secundários. Enxaquecas, cólicas, inchaço, retenção de líquidos, tpm extremamente agressivos. Ao fim de 1 ano e meio era obrigada a experimentar uma nova pílula, porque já não aguentava o que sofria. Durante os 3 meses de o corpo de habituar estava minimamente bem, até voltar ao mesmo. Há um ano decidi ir a uma ginecologista, a pensar que desta vez ela iria entender-me e ajudar-me porque era o profissional mais indicado. Não me entendeu, fui gozada e negligenciada! Perguntou-me se a pílula tinha deixado de fazer efeito porque tinha engravidado, eu disse óbvio que não, mas as minhas cólicas e enxaquecas eram agressivas e o tpm transformava-me numa pessoa que não era, porque era sempre chamada a atenção pelo meu namorado. Essa profissional pouco lhe faltou rir-se na minha cara ao dizer isto e eu fiquei a pensar em como é possível uma profissional ignorar as dores de um paciente, especialmente sendo mulher e de certeza passar pelo mesmo. Mudou-me a pílula com bastante má cara, mas ao menos tinha conseguido o que queria. Só que mais uma vez ao fim de meio ano, estou novamente no mesmo ciclo vicioso. Fui expor o caso à minha médica de família, mas mais uma vez não importa o que diga ou o que sinta, que provavelmente o meu corpo precisa de algo mais forte ou de outra geração para não sentir tanto os efeitos secundários. Porque os profissionais de saúde é que sabem, porque são eles que estão no nosso corpo a sentir as dores, angústias e mau-estar, porque são eles que decidem negligenciar a saúde humana, especialmente nas mulheres mais novas

 

A saúde feminina é desprezada! Somos mulheres, somos humanos, temos direito a que os profissionais nos ouçam verdadeiramente e que façam os possíveis para nos ajudar. Não sermos negligenciadas e rebaixadas pelo nosso género, temos direitos a ser ouvidos.

26
Jan19

injustiça no mundo acadêmico

escrito por bii yue

Numa questão de minutos toda a minha confiança e valorização pessoal foi arrasada e depois arrastada por um caminho íngreme e rochoso durante vários dias. Talvez por experiência e ter crescido no sentido de conseguir ter um controlo razoável, fui capaz de aguentar o choro até chegar a casa, engolir o orgulho, ficar no meu cantinho com um único desejo de sair daquele gabinete e bater com a porta. Apenas ficar ali sentada a olhar para um vazio das caras dos orientadores, a ser desacreditada a cada palavra dita ao tentar ter alguma defesa própria, a ser chamada de nomes com um palavreado cuidado, a ser rebaixada porque eu não valho ou importo, porque o que é mais importante é os superiores não passarem vergonhas por o trabalho de um estudante que esta a aprender. Nos seus pensamentos, naquele momento, um aluno não esta a aprender, um aluno já sabe tudo, tem que estar tudo impecável e ter o dom de ler os pensamentos e acertar no que querem.

É verdade que me desleixei, especialmente porque fui eu que me diregi a eles e tive tempo suficiente, eu admito que foi uma enorme falha da minha parte. No entanto nada justifica a maneira como fui tratada, ter ultimatos de não me deixarem entregar porque não querem passar vergonhas. Uma apresentação e entrega de documentos que não irá contar para avaliação, que é apenas treino com uma nota insignificante, mas segundo eles existe bastante formalidade envolvida por isso a nota irá ter um peso na etapa final. Isto é mais importante para eles, porque não querem passar vergonhas!, do que para mim, que sou e estudante e só a realizar as coisas é que sou capaz de melhorar as minhas falhas e progredir. O pior é que este tratamento de ser burra e incompetente prolongou-se durante a semana inteira, até chegar ao ponto de ter as palavras que ninguém quer ler, para decidir fazer como quiser... Não posso perder tempo ou dinheiro, prefiro passar mais uma vergonha e levar novamente com comentários duros, porque apesar da situação eu sei o que valho e as minhas capacidades, porque é tudo um processo de aprendizagem!, e no final irei mostrar o meu verdadeiro potencial.

Eu tenho perfeita noção que o meu trabalho não esta perfeito, que desleixei-me quando houve tempo, mas esforcei-me bastante. A orientação que recebi também não foi a melhor, porque é um tema bastante abrangente e cada autor interpreta à sua maneira, tal como os meus orientadores, e só quase no final do prazo é que afunilam o tema quando deveria ter sido desde o início, porque eu perdi-me completamente pelo meio e deu bastante mal resultado. No entanto, dei o meu melhor no tempo disponível e com as minhas competências no momento. É óbvio que quero melhorar e mostrar que não sou nada do que pensam, que sou competente e trabalhadora, especialmente na parte laboratorial e melhorar a parte escrita para ir de acordo a exigência pedida.

Continuo a sentir-me completamente arrasada, a confiança e orgulho que tinha em mim própria foram partidos em pequenos pedaços afiados que à lembrança dos acontecimentos que arranham e abrem ainda mais a ferida. O pensamento que irei ter que lidar com pessoas que pensam terrivelmente mal de mim e provavelmente já nem me querem orientar, mas são obrigados e irão continuar a descarregar as suas frustrações numa pessoa sem qualquer culpa deixa-me completamente assustada e apavorada. Terei que ser corajosa, engolir o orgulho e levantar a cabeça com aquele sorriso tão bem conhecido, que tantos sentimentos e emoções carregada. Porque eu não sou assim, o que mais tenho feito tem sido lutar pelo meu futuro e ser a melhor pessoas que consigo ser, ao estar a querer desenvolver as minhas capacidades e continuar a e evoluir com o que o dia-a-dia e o destino me reservam. No entanto, nunca me senti tão desamparada e a temer pelo meu futuro!

Aventura de uma vida ♥

because your smile make me live ♥

Sobre mim

foto do autor

Parceria/Colaboração

contacto: helenabeatriz12@sapo.pt

Instagram

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Inspiração


Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me