Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

because your smile make me live ♥

so strong, so broken

because your smile make me live ♥

so strong, so broken

19
Mar19

Qual a minha ambição?

bii yue

Puseram-me esta questão qual era a minha ambição de quando era mais nova. A verdade é que eu nunca pensei ou sequer conseguia imaginar o meu futuro quando fosse crescida, como o sou agora. Apenas tinha em mente que iria fazer tudo para sair de casa assim que tivesse oportunidade! A maior parte da minha adolescência foi agarrada a essa "ambição", só queria que esse momento chegasse e não conseguia imaginar um depois.

Devido a toda a história, essa era a minha ambição (se assim se pode chamar), porque também nunca fui daquelas pessoas que me imaginava já como adulta, ou sonhava com o casamento e coisas desse género. Serei a única? Se calhar não, mas senti-me como uma pessoa que não tinha ambições que valessem a pena. Afinal vivia para quê? Para que futuro? Quais eram as minhas ambições de vida? 

Neste momento da minha vida, gostava de dizer que tenho ambições e se calhar até tenho, mas levo a vida mais por objectivos. Tenho objectivos finais (a chamada ambição?!) , sei que carreira quero seguir, o que fazer para me fazer sentir que estou a viver a vida e não a desperdiçá-la. Sinto que a palavra ambição é demasiado grande para a minha pessoa, porque habituei-me a definir objectivos e viver mais no presente e não a ficar ansiosa pelo futuro

Se sou uma pessoa ambiciosa? Um pouco, gosto de me surpreender a mim própria, gosto de lutar pelos meus objectivos e sentir aquela realização no final. Qual é a minha ambição? Vai ser o clichê de ser feliz e puder chegar a conclusão que apesar dos obstáculos, consegui viver e ter momentos que ficaram gravados na memória (que me fizeram sorrir, que me fizeram sentir liberdade e independência, que me derretem o coração) e me ajudaram a ser a pessoa adulta que sou hoje e irei continuar a ser...

08
Fev19

um bloco sai do sitio e os outros acabam por cair todos

bii yue

Quando finalmente podia ficar a dormir até tarde durante os dias de descanso, o meu corpo decidiu que isso não iria acontecer, que iria acordar com ele e não voltar a adormecer. Pensava que ao menos iria conseguir ser bastante produtiva, mas só aconteceu no primeiro dia porque ainda estava com imensa energia e esteve bom tempo para ficar a apreciá-lo. Nos seguintes entrei em modo a morrer aos bocados pelo quarto, a tentar ser minimamente produtiva e fazer o que tinha para fazer. 

E para pôr a cereja no topo do bolo, as hormonas começam a atacar fora de horas e começa a afetar-me mais do me deixo ter noção. E a partir daí tudo começa a descarrilar... Hormonas misturadas com sensibilidade, dores, acne, e infelizmente isso afeta o mental de uma mulher. Parece que me transformo numa outra pessoa, que deixa de ser empatica, que só sabe estar revoltava sem ter razão, mas logo a seguir quer ter uma crise de choro porque sabe que não é ela, mas não se consegue controlar. 

Eu juro que dou o meu melhor a ser compreensiva e tenho noção das coisas, infelizmente sou bastante needy mas habituei-me a tirar do pouco, e esta a acontecer novamente, a pilula a transformar-me numa pessoa que não sou, a levar-me ao limite.

Não gosto de ter discussões, não gosto de ter que ser chamada à terra, especialmente por ser daqueles situações que são acumulações de outros dias, do stress, cansaço e não propriamente da situação em si. Não gosto de sentir que estou a perder o controlo de mim própria. Não gosto de me sentir no limite e não saber para que lado me virar.

01
Fev19

Compreensão

bii yue

Respira, para por uns segundos e pensa racionalmente.

É um novo capítulo e ambos estão em diferentes fases.

Já aconteceu, mas naquela altura era eu estava que estava no patamar de cima e agora é o contrário. Por esse facto consigo perceber o lado dele, mas por mais que eu tente alinhar no pensamento dada a minha situação no momento é me impossível conseguir fazer planos tão no futuro. Aprendi a viver no presente, porque o meu futuro é tão incerto e inconstante e viver dessa forma só me trazia ansiedade desnecessária. Não preciso de estar a fazer planos a tão grande prazo, a criar medos e inseguranças desnecessárias quando neste momento o presente está atribulado e o meu futuro é um ponto de interrogação.

Continuo a gostar imenso de falar sobre o futuro e estou aberta as opções dele. No entanto tenho os meus próprios objectivos e preferia ficar longe de um sítio que me limita e me faz sentir sufocada. A minha opinião pode mudar, por vir a crescer e criar mais maturidade ou então por ser simplesmente obrigada por circunstâncias da vida e ter que me adaptar. Não é um não, apenas é o que sinto no momento porque estou bem no lugar onde estou, tenho a minha liberdade e independência, tenho locais onde posso ir, descontrair e passar um bom tempo. 

Há alturas em que é um pouco cansativo. Eu percebo completamente o entusiasmo e a necessidade de ter que se fazer planos para o futuro, é um patamar superior, é a vida que me espera e eu tento pôr-me a pensar desse modo... Nem sempre consigo, estou focada em coisas diferentes, a aproveitar enquanto tenho espaço para respirar e viver sem horários.

Mas tal como a minha opinião pode mudar, a dele também poderá mudar. É o futuro, não se pode adivinhar o que irá acontecer, apenas se pode supor e pôr as nossas vontades e forças nisso. Porque o presente é que faz a vida acontecer e pode ser surpreendernos como ser imprevisível. 

26
Jan19

injustiça no mundo acadêmico

bii yue

Numa questão de minutos toda a minha confiança e valorização pessoal foi arrasada e depois arrastada por um caminho íngreme e rochoso durante vários dias. Talvez por experiência e ter crescido no sentido de conseguir ter um controlo razoável, fui capaz de aguentar o choro até chegar a casa, engolir o orgulho, ficar no meu cantinho com um único desejo de sair daquele gabinete e bater com a porta. Apenas ficar ali sentada a olhar para um vazio das caras dos orientadores, a ser desacreditada a cada palavra dita ao tentar ter alguma defesa própria, a ser chamada de nomes com um palavreado cuidado, a ser rebaixada porque eu não valho ou importo, porque o que é mais importante é os superiores não passarem vergonhas por o trabalho de um estudante que esta a aprender. Nos seus pensamentos, naquele momento, um aluno não esta a aprender, um aluno já sabe tudo, tem que estar tudo impecável e ter o dom de ler os pensamentos e acertar no que querem.

É verdade que me desleixei, especialmente porque fui eu que me diregi a eles e tive tempo suficiente, eu admito que foi uma enorme falha da minha parte. No entanto nada justifica a maneira como fui tratada, ter ultimatos de não me deixarem entregar porque não querem passar vergonhas. Uma apresentação e entrega de documentos que não irá contar para avaliação, que é apenas treino com uma nota insignificante, mas segundo eles existe bastante formalidade envolvida por isso a nota irá ter um peso na etapa final. Isto é mais importante para eles, porque não querem passar vergonhas!, do que para mim, que sou e estudante e só a realizar as coisas é que sou capaz de melhorar as minhas falhas e progredir. O pior é que este tratamento de ser burra e incompetente prolongou-se durante a semana inteira, até chegar ao ponto de ter as palavras que ninguém quer ler, para decidir fazer como quiser... Não posso perder tempo ou dinheiro, prefiro passar mais uma vergonha e levar novamente com comentários duros, porque apesar da situação eu sei o que valho e as minhas capacidades, porque é tudo um processo de aprendizagem!, e no final irei mostrar o meu verdadeiro potencial.

Eu tenho perfeita noção que o meu trabalho não esta perfeito, que desleixei-me quando houve tempo, mas esforcei-me bastante. A orientação que recebi também não foi a melhor, porque é um tema bastante abrangente e cada autor interpreta à sua maneira, tal como os meus orientadores, e só quase no final do prazo é que afunilam o tema quando deveria ter sido desde o início, porque eu perdi-me completamente pelo meio e deu bastante mal resultado. No entanto, dei o meu melhor no tempo disponível e com as minhas competências no momento. É óbvio que quero melhorar e mostrar que não sou nada do que pensam, que sou competente e trabalhadora, especialmente na parte laboratorial e melhorar a parte escrita para ir de acordo a exigência pedida.

Continuo a sentir-me completamente arrasada, a confiança e orgulho que tinha em mim própria foram partidos em pequenos pedaços afiados que à lembrança dos acontecimentos que arranham e abrem ainda mais a ferida. O pensamento que irei ter que lidar com pessoas que pensam terrivelmente mal de mim e provavelmente já nem me querem orientar, mas são obrigados e irão continuar a descarregar as suas frustrações numa pessoa sem qualquer culpa deixa-me completamente assustada e apavorada. Terei que ser corajosa, engolir o orgulho e levantar a cabeça com aquele sorriso tão bem conhecido, que tantos sentimentos e emoções carregada. Porque eu não sou assim, o que mais tenho feito tem sido lutar pelo meu futuro e ser a melhor pessoas que consigo ser, ao estar a querer desenvolver as minhas capacidades e continuar a e evoluir com o que o dia-a-dia e o destino me reservam. No entanto, nunca me senti tão desamparada e a temer pelo meu futuro!

21
Jan19

acordar cedo de insónias

bii yue

O meu interior grita para o meu cérebro se desligar, para conseguir voltar a adormecer. É mais uma noite de insónias e a minha mente não para de pensar. O meu corpo esta tão confortável embrulhado nos lençóis ainda quentes da tua presença, mas já não estas aqui para me puder enroscar. Bata-lho contra os pensamentos e preocupações e viro-me mais uma vez na esperança que o conforto e o corpo ainda a dormir vençam. Mas parece que não vai acontecer...

É mais um dia, mais uma semana. Ainda é estranho acordar contigo e ir ter uma rotina completamente diferente. Já me habituei, mas não me habituei. Gosto da tua presença, o conforto e segurança que me dás. Acalmas esta ansiedade que esta constantemente à espreita.

É uma ansiedade que se entrenha e não deslarga o meu corpo. Esta sempre à espreita e basta perder um pouco o controlo que é capaz de se instalar para ficar. Faz-me perder a motivação e ficar num estado latente, simplesmente a ver o tempo passar. Tenho objectivos, tenho uma vida em que tenho que agir como adulta, mas tenho um medo cego que me paraliza, que não me deixa agir.

É frustrante, porque são só hormonas, é só a minha mente a brincar com ela própria. Sou eu que tenho o controlo, mas é uma força mais forte que eu em certas ocasiões. O meu corpo quer agir e mexer-se, aproveitar mais um dia para ser produtiva enquanto existe tempo, mas a minha mente não deixa. Faz-me ficar a olhar, à espera que ganhe coragem e enquanto ela não chega, o tempo vai passando. 

E assim passa mais um dia, em que fiz algo mas ao mesmo tempo não fiz. Tento ir contra esta ansiedade e falta de motivação para fazer o que gosto, há dias melhores e outros nem tanto. Foco a minha mente e corpo nos objetivos e não deixo a esperença desvanecer-se. Esta não sou eu, tenho perfeita noção, só que nem sempre é fácil lutar contra o nosso inconsciente. 

Fico a espera que chegues à casa para te abraçar, que me voltes a dar aquele conforto necessário para conseguir voltar a ser eu. A pessoa que esta sempre com um sorriso na cara, que é capaz de esconder e controlar a ansiedade, manter-se focada a lutar pelos objectivos e continuar a ser aquele coração mole.

07
Ago18

não é aqui o meu lugar

bii yue

Não é aqui o lugar onde pertenço.

É bom aquele sentimento de voltar às origens para matar as saudades, porém a ligação começa a esvanecer. Anseio por novas tradições, um novo rumo de independência. Aquele lugar só meu! A que posso chamar de: realmente a minha casa, onde a minha vida se desenrola. 

Esse lugar não é aqui, deixou-o de o ser há muito tempo atrás. Com o desenrolar das semanas e acontecimentos, a rotina é tão natural, quero assentar de vez no lugar em que realmente me sinto feliz e em casa. 

Mais uma vez, aquele grito interno que gostava de não ter mais um ano de espera, que gostava de dar o próximo passo, que me sinto preparada, tendo consciência que não é fácil.

Sobre mim

foto do autor

Parceria/Colaboração

contacto: helenabeatriz12@sapo.pt

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Inspiração


Follow

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.